Leonard Nimoy volta à ficção científica na série Fringe

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 8 de outubro de 2009 as 11:09, por: cdb

O ator Leonard Nimoy volta nesta semana a participar de uma série de ficção científica na TV dos EUA, Fringe, mas duvida que o seu famoso personagem Spock irá regressar ao espaço, a fronteira final.

Nimoy, de 78 anos, interpretou Spock idoso neste ano em um novo filme da série Jornada das Estrelas, do diretor J.J. Abrams. Mas na quarta-feira ele afirmou a jornalistas que não acredita que haverá um novo papel para ele na próxima sequência da série, prevista para ser lançada em 2011.

– Acho que fui útil no último filme para ajudar a estabelecer uma ponte entre os atores originais e este novo elenco –, disse Nimoy.

– Eles têm um maravilhoso elenco novo (…) e não vejo por que precisariam de mim no próximo filme. Mas, se me chamassem, ficaria feliz em ter uma conversa a respeito –, disse Nimoy por teleconferência.

O astro de Heroes Zachary Quinto interpretou o jovem Spock no último filme da série Jornada nas Estrelas. Numa das cenas, os dois Spocks – jovem e velho – se encontraram.

Foi a ligação com Abrams que levou Nimoy a uma breve aparição em maio em Fringe, uma série de ficção científica da Fox criada por Abrams, que explora a existência de um universo paralelo.

Nimoy disse que os espectadores saberão mais sobre o seu personagem William Bell, fundador da misteriosa empresa Massive Dynamic, quando o virem novamente em um episódio que irá ao ar na quinta-feira, e em pelo menos mais um episódio neste ano. Outras aparições estão sendo discutidas.

Nimoy descreveu Bell como um personagem do tipo senhor do universo,””brilhante, rico e muito poderoso.” Se Bell é bom ou mau, “o tempo dirá,” afirmou.

– O personagem é um pouco como uma lousa em branco, e portanto atraente, porque há uma oportunidade de construir um personagem interessante e imprevisível –,  afirmou Nimoy, que praticamente trocou a atuação pela fotografia há dez anos, mas diz estar gostando desta retomada.

– Fico muito lisonjeado por as pessoas ainda me acharem útil. Ainda me sinto forte, saudável e ativo, e enquanto houver trabalho interessante a fazer, provavelmente continuarei fazendo.