Legisladora democrata pede a renúncia de Tenet por causa de urânio

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 14 de julho de 2003 as 20:10, por: cdb

A representante democrata pelo Texas Sheila Jackson Lee pediu, nesta segunda-feira, a imediata renúncia e a demissão do diretor da CIA, George Tenet, por permitir que fosse divulgada a falsa informação de que o Iraque pretendia comprar urânio na África.

Jackson Lee pediu além disso que as duas câmaras do Congresso realizem audiências públicas sobre como a informação errada, aprovada pela Agência Central de Inteligência (CIA), foi parar no discurso sobre o Estado da União que o presidente George W. Bush pronunciou no último dia 28 de janeiro.

– Todos os representantes do Governo envolvidos neste assunto, começando pelo presidente dos Estados Unidos, deveriam testemunhar em público ou por escrito no Congresso – disse em um comunicado a legisladora, do Comitê Judicial da Câmara Baixa.

Em seu discurso, Bush utilizou o argumento que o antigo regime de Saddam Hussein tentava adquirir urânio em Níger para seu programa nuclear como uma de suas razões para manter a pressão sobre o país árabe.

Sexta-feira, Tenet reconheceu sua responsabilidade, como diretor da CIA, de permitir que Bush repetisse a falsa acusação contra o Iraque com base em dados dos serviços de inteligência britânicos.

Em seu comunicado, Jackson Lee disse que, depois dos atentados de 2001 – que tornou pública a descoordenação dos serviços americanos de inteligência – “obviamente, não aprenderam as lições”.

A legisladora se referiu a que, depois de uma extensa revisão do FBI (Escritório Federal de Pesquisas) e da CIA, o Congresso reestruturou as duas agências para melhorar a coordenação dos serviços de inteligência.

Mas, com a nova controvérsia sobre as provas falsas em torno do Iraque, “o diretor da CIA deve renunciar ou ser despedido”, insistiu Jackson Lee, que acrescentou que outros membros do Governo envolvidos nesta controvérsia “também devem ser investigados e sancionados adequadamente”.

Para a legisladora, conhecida por suas críticas ao Governo de Bush, a gravidade do erro faz com que a informação errada – eliminada em um discurso de outubro de 2002 pela duvidosa veracidade dos dados – foi utilizada para convencer a opinião pública da necessidade de uma guerra.

Como conseqüência, soldados americanos “morreram e continuam perecendo por causa da guerra no Iraque. Ao senhor Tenet, portanto, deve-se obrigar que apresente um relatório completo ao Congresso em um âmbito público”.

Da mesma forma que fizeram nos últimos dias outros legisladores democratas, Jackson Lee pediu a criação de uma comissão independente e a nomeação de um promotor independente, o que é necessário, “para garantir uma investigação completa e independente sobre o assunto das armas de destruição em massa no Iraque”.

As forças americanas não encontraram armas de extermínio em massa no Iraque, o motivo para a guerra utilizado por Washington contra Hussein.

Mas Jackson Lee disse que embora Tenet deva renunciar ou ser despedido, este não deve ser um “bode expiatório”, porque “também devem pagar pelas conseqüências todos os membros do Governo com motivos para saber que o relatório de inteligência era fraudulento”.