Juventudes hondurenhas se reúnem para debater sobre “Poder e Política”

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 27 de fevereiro de 2012 as 15:02, por: cdb

“Nãopodemos esperar que outras e outros façam pela juventude, não podemos esperartomar o poder para começar a debater sobre ele. Devemos questionar nossasformas de ser e de fazer hoje, neste momento, se é o que queremos chegar aconstruir uma nação livre de ataduras sistemáticas e hegemônicas”. Esse é ochamado que a Frente Revolucionária Artístico Contracultural (Fracc) faz paraas juventudes hondurenhas para participarem do Primeiro Debate Juvenil sobre Poder e Política.

Oevento, marcado para ocorrer a partir das 10h desta sexta-feira (2) na PraçaColprosumah, em Tegucigalpa, pretende reunir jovens de mais de 20 organizaçõessociais do país para debater sobre poder e política e discutir sobre aRefundação hondurenha.

Como tema “Vias para a refundação e o papel da juventude na conjuntura atual”, oencontro, segundo Fracc, estabelecerá “pontos em comum entre as diferentesvisões das organizações político-juvenis” sobre a realidade do país e asestratégias para a refundação.

Paraa ocasião, a Frente Revolucionária propõe ainda a realização de uma “memóriaaudiovisual” com o objetivo de reunir as principais experiências e conclusõesdo debate. A intenção também é, a partir deste evento, criar um processoperiódico de discussões entre as organizações participantes.

Deacordo com Fracc, 57% dos habitantes de Tegucigalpa têm entre cinco e 25 anosde idade. Apesar de crianças e jovens serem maioria na localidade, poucas açõessão promovidas para esse público.

“Noentanto, são poucas as organizações ou instituições que trabalham pararesponder a uma realidade tão bizarra e grotesca como a nossa. Ademais, dosespaços organizados, são realmente poucos os que servem de ponto de encontropara as juventudes. Em vez disso, convertem-se em centro de estéreis disputas,pouco atrativas para a juventude organizada ou não organizada; esquecendosempre que a construção compete a todos e todas, não a quem ‘tem mais ou quempensa melhor’”, destaca Fracc na justificativa do encontro.

Emdocumento sobre o debate, a Frente Revolucionária ainda destaca a situaçãosocial do país, marcada pela violência e insegurança. “E aqui, em Honduras,nossas terras são vendidas, ultrajadas e violadas; nossa gente é assassinada enossa história segue sendo escrita com sangue e ignomínia”, observa.

Paramais informações, escreva para fracchn@hotmail.comou acesse: http://debatefracc.tk/