Justiça envia caso de Neymar para tribunais de Barcelona

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sexta-feira, 22 de maio de 2015 as 12:16, por: cdb
Neymar durante partida contra o Bayern de Munique pela Liga dos Campeões, na Alemanha
Neymar durante partida contra o Bayern de Munique pela Liga dos Campeões, na Alemanha

 

O Tribunal Nacional decidiu transferir o caso que investiga supostas irregularidades na contratação de Neymar por parte do Barcelona aos tribunais de Barcelona, segundo nota divulgada nesta sexta-feira.

A decisão foi tomada após o juiz José de la Mata decidir nesta mesma semana abrir um processo contra o ex-presidente do clube Sandro Rosell, seu sucessor Josep María Bartomeu e o clube Barcelona por supostos crimes contra a Fazenda e administração ilegal na contratação do brasileiro.

No total, Bartomeu, Rosell e o clube foram acusados de fraudar cerca de 13 milhões de euros em impostos.

Bartomeu era vice-presidente no comando de Sandro Rosell quando Neymar saiu do Santos para a equipe catalã em 2013, em um acordo complexo que envolvia vários contratos entre o jogador e seu pai.

Tanto Bartomeu como Rosell negaram terem cometido qualquer irregularidade na contratação do brasileiro. Rosell saiu do cargo devido a alegações de que o clube não pagou milhões de euros em impostos na administração de 2011, 2012 e 2013, dizendo que queria proteger a imagem da instituição.

Fraude tributária na contratação

Um juiz espanhol determinou que o presidente do Barcelona, Josep Bartomeu, seu antecessor, Sandro Rosell, e o clube sejam julgados por acusação de fraude fiscal na contratação do atacante brasileiro Neymar.

O juiz José de la Mata deu aos acusados, que negam ter cometido irregularidades, prazo de 10 dias para apresentar suas defesas por escrito, de acordo com documentos judiciais divulgados na quarta-feira.

Bartomeu era vice-presidente de Rosell quando Neymar foi contratado do Santos, em 2013, em um acordo complexo que envolveu vários contratos com o jogador e seu pai.

No total, Bartomeu, Rosell, que renunciou ao cargo devido às denúncias, e o clube foram acusados de fraudar 13 milhões de euros em impostos.

Promotores pediram pena de 2 anos e 3 meses de prisão para Bartomeu e de 7 anos e meio de detenção para Rosell, além do pagamentos de multas e de impostos totalizando mais de 60 milhões de euros.

A investigação foi iniciada depois que um membro do clube questionou os valores apresentados para a contratação de Neymar. O clube disse inicialmente que havia pago 57,1 milhões de euros, mas reconheceu posteriormente que o custo ficou perto dos 100 milhões de euros.