Justiça decreta prisão de acusado de matar mulher no Rio

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 18 de julho de 2016 as 14:58, por: cdb

O Ministério Público deverá apresentar a denúncia à Justiça para a abertura do processo criminal, após as investigações

Por Redação, com agências de notícias – do Rio de Janeiro:

 

A Justiça do Rio de Janeiro decretou a prisão temporária de Rojelson Santos Baptista, acusado de matar Christiane de Souza Andrade a facadas na última quinta-feira, na frente da filha dela, de 7 anos de idade. A decisão foi tomada pela juíza Maria Izabel Pena Pieranti no domingo, durante o plantão judicial.

De acordo com o relatório apresentado pela polícia à Justiça, Rojelson foi reconhecido pela filha da vítima como o autor do crime
De acordo com o relatório apresentado pela polícia à Justiça, Rojelson foi reconhecido pela filha da vítima como o autor do crime

De acordo com o relatório apresentado pela polícia à Justiça, Rojelson foi reconhecido pela filha da vítima como o autor do crime. Segundo a polícia, ele teria confessado o assassinato e contado que mantinha relação amorosa com Christiane. O crime teria sido resultado de um descontrole de Rojelson depois de uma discussão sobre o fim do relacionamento dos dois.

Com o mandado de prisão, a polícia poderá manter Rojelson preso por 30 dias. A juíza Maria Izabel considerou que os depoimentos colhidos e os indícios da autoria do homicídio são suficientes para a medida, e que o acusado representa risco às testemunhas e à ordem pública. Agora, o Ministério Público deverá apresentar a denúncia à Justiça para a abertura do processo criminal, após as investigações.

Operação Corte Zero

A Polícia Civil, por meio da 48ª Delegacia de Polícia – Seropédica – e com o apoio do Departamento Geral de Polícia da Baixada (DGPB), do Departamento Geral de Polícia da Capital (DGPC), do Departamento Geral de Polícia Especializada (DGPE), do Departamento Geral de Polícia do Interior (DGPI) e da Coordenadoria de Recursos Especiais (CORE), deflagrou nesta segunda-feira A Operação Corte Zero para combater os crimes de furto e roubo de veículos, bem como a comercialização ilegal das peças de carros roubados.

A Operação, coordenada pelo Delegado de Polícia Júlio Filho, conta com a participação de 150 policiais civis, dentre eles peritos criminais da Divisão de Roubos e Furtos de Automóveis (DRFA), para cumprir mandados de prisão e mandados de busca e apreensão no Rio de Janeiro, na Baixada Fluminense e em algumas cidades do interior do Estado.

Durante as investigações, os policiais identificaram os integrantes de uma organização criminosa especializada na prática destes crimes, bem como os locais utilizados para o desmanche de veículos.

Professor da UFRJ

O professor franco-argelino, Adlène Hicheur, que era pesquidador visitante do Instituto de Física da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) foi deportado sumariamente do Brasil, na noite de domingo.

Segundo informações preliminares, ele foi deportado para a França, do aeroporto internacional do Galeão, na zona norte da cidade do Rio de Janeiro.

A ordem de deportar o pesquisador partiu do Ministério da Justiça, que aproveitou uma brecha entre a renovação do contrato da UFRJ com o professo.

Hicheur foi condenado na França, em 2009, acusado de trocar mensagens com pessoas envolvidas em atos terroristas.

Apesar de negar as acusações que, segundo ele, “não apresentou nenhuma prova material para sustentar seus argumentos” e ter sido condenado”com base em hipóteses”, o professor cumpriu pena na França, antes de vir ao Brasil, onde está desde 2013, na UFRJ.

Em nota no site, a UFRJ disse que ficou surpresa e preocupada com a ação da Polícia Federal “anunciada sem apresentação de justificativas claras e atenção a princípios democráticos básico”, em referência ao direito à defesa.

A UFRJ havia aprovado pedido de renovação de contrato com o professor, após análises de órgãos internos. Hicheur, na Instituto de Física, desenvolveu importantes pesquisa, com destaque para descobertas para a Física de Partículas e contava com apoio do Centro Brasileiro de Pesquisas Fisicas.