Justiça condena bispo católico por ocultar pedofilia na igreja

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 4 de setembro de 2001 as 14:37, por: cdb

A justiça francesa condenou o bispo Pierre Pican, 66 anos, da Igreja Católica por esconder que um padre estava abusando sexualmente de crianças, na Normandia, França. Ele foi condenado a três meses de prisão que serão cumpridos em regime de liberdade.

Segundo a acusação, o bispo Pican, da cidade de Bayeux-Lisieux, falhou ao não levar o caso de abuso para a Justiça. Ele vai ser o primeiro bispo da história contemporânea da França a ser condenado criminalmente. O bispo também vai ter que pagar uma quantia simbólica para compensar as vítimas.

O promotor, Jacques-Philippe Segondat, pediu uma sentença de quatro a seis meses de prisão em regime de liberdade. A sentença máxima poderia ter sido de três anos de prisão.

O bispo foi condenado por ter escondido que o padre Rene Bissey estava estuprando e abusando sexualmente de 11 crianças entre 1996 e 1998. O padre foi condenado a 18 anos de prisão em outubro.

Julgamento

O promotor Segondat deixou claro que não era a Igreja Católica que estava em julgamento.

“Este é um julgamento de um homem da Igreja que falhou no cumprimento de seus deveres”, disse ele perante a corte.

Os advogados do bispo afirmaram que Pican foi motivado pelo dever de manter o segredo profissional, mesmo quando ficou sabendo dos atos do padre fora da confissão.

Mas, segundo a acusação, este argumento não se aplica em casos de crimes contra crianças.

Depoimento

Foi o depoimento de um homem de 22 anos, identificado apenas como Yann R, uma das vítimas do padre Bissey, que levou o caso aos tribunais.

O bispo Pican admitiu em junho para a corte da cidade de Caen – norte da França- que tinha escondido as atividades do padre, mas o bispo disse que não faria isso de novo.

Pican ficou sabendo das atividades de Bissey em 1996, pelo vigário geral da Normandia. O vigário tinha sido procurado pelos pais das crianças.

Pican enviou o padre a um retiro e também pediu que fosse dado um tratamento psiquiátrico para Bissey. Dois anos depois, o padre foi transferido para uma paróquia próxima, onde foi preso.

O caso iniciou o debate sobre até que ponto devem ser mantidos os segredos de confissão.