Júlio César se desculpa com Evaristo

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 17 de março de 2003 as 17:16, por: cdb

Quarenta e oito horas depois de deixar o campo transtornado com a humilhante goleada por 4 x 0 imposta pelo Fluminense, no último sábado, o goleiro Júlio César, do Flamengo, resolveu se desculpar publicamente com o técnico Evaristo de Macedo.

Júlio foi informado que o então treinador rubro-negro – Evaristo foi demitido na madrugada de domingo – o chamara de burro por ter abandonado a meta e tentado uma jogada no ataque, quando o Fla já perdia por 4 x 0. Ele rebatera dizendo que burro era o técnico, que deveria se preocupar mais com as goleadas que o time vinha sofrendo.

“Posso dizer que pedi milhões de desculpas ao Evaristo. A imprensa interpretou erradamente uma declaração dele e acabei me excedendo na resposta, pois deixei o gramado transtornado. No sábado mesmo liguei para ele e desfiz o mal entendido”, disse o goleiro em entrevista à Rádio Brasil, nesta segunda-feira.

Por outro lado, o jogador disse que nada aprendeu com o ocorrido: “Nada fica de lição”, resumiu, garantindo que teve a melhor das intenções ao tentar fazer a função dos jogadores de linha.

“Não quis aparecer, nem jogar ninguém contra a torcida. O Fluminense botou a gente na roda, eu estava me sentindo um inútil e tomei uma atitude que reconheço não ter sido legal. Mas, no mesmo dia falei que se algum companheiro tivesse ficado chateado eu estava me desculpando”, explicou-se.

Ao comentar a falha que cometeu no primeiro gol, quando rebateu a bola para frente numa falta cobrada por Djair, Júlio César deu mostras de que o ambiente entre os jogadores está longe de ser dos melhores.

“Fui mal demais no primeiro gol. Porém, eu já tinha alertado os jogadores para ficarem atentos aos meus rebotes, pois o Djair bate muito forte na bola. Não quero desmerecer ninguém, muito menos fazer comparações, mas ontem assisti São Paulo x Corinthians (primeira partida das finais do Campeonato Paulista) e sempre tinha zagueiros por perto quando os goleiros rebatiam alguma bola”, disparou.

Voltando a falar sobre o incidente com Evaristo, o goleiro disse também que não será punido pela diretoria por sua atitude intempestiva.

“Nada vai acontecer comigo ou com ele. Fui infeliz porque acreditei na interpretação errada de um cara da imprensa. Reconhecer os erros é uma grande qualidade de um homem. Aprendi com o Evaristo coisas que vou levar por toda minha carreira”, admitiu.

Júlio César garantiu, inclusive, que um possível ciúme por dois jogadores – Felipe e Fernando Baiano – terem sido contratados com salários superiores ao seu e sua negociação com o Corinthians não ter evoluído não prejudicou seu desempenho na competição.

“Não existe essa de eu estar insatisfeito por jogar no Flamengo. A negociação com o Corinthians faz parte do passado, meu contrato vai até 2004 e espero cumpri-lo. Sobre meu salário, é mentira que eu esteja reivindicando aumento. Cada um ganha o que merece. Eu chego no Flamengo, treino e vou para casa curtir minha família”, concluiu.