Julgamento do registro do PSD será retomado nesta terça

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 26 de setembro de 2011 as 13:38, por: cdb

Julgamento do registro do PSD será retomado nesta terça

Possível líder da legenda diz já ter comprado caixa de charutos para comemorar

Por: Redação da Rede Brasil Atual

Publicado em 26/09/2011, 15:55

Última atualização às 16:03

Tweet

São Paulo – O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) retoma nesta terça-feira (27) o julgamento do pedido de registro do Partido Social Democrático (PSD). A discussão foi interrompida na última quinta-feira (22), por um pedido de vistas do ministro Marcelo Ribeiro. O provável líder do partido na Câmara, deputado Guilherme Campos (egresso do DEM-SP), declarou que lideranças já teriam comprado “uma caixa de charutos” para comemorar uma decisão favorável.

Leia também: TSE adia decisão sobre registro do PSD 

Segundo ele, em entrevista ao Terra Magazine, a expectativa é positiva para a retomada do julgamento. Ele admite “apreensão e ansiedade” diante da indefinição, mas acredita que tudo será contornado com a confirmação do nascimento formal do PSD.

O partido articulado pelo prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab (também saído do DEM), conta com apoio de 44 deputados e dois senadores, além dos governadores de Santa Catarina, Raimundo Colombo, e do Amazonas, Omar Azis, e do vice de São Paulo, Guilherme Afif Domingos.

A questão central é se a Justiça Eleitoral deve aceitar certidões de cartórios eleitorais que contêm as assinaturas de apoio à criação do partido sem que elas tenham sido analisadas por tribunais regionais eleitorais de cada estado. A relatora, Nancy Andrighi, defendeu a liberação do registro, enquanto o ministro Teori Zavascki defendeu que o processo voltasse às instâncias estaduais. Sem reconhecer as certidões, o PSD teria alcançado o número mínimo de assinaturas exigido por lei.

Faltam ainda os votos de cinco ministros. Enquanto o presidente da corte, Ricardo Lewandowski, indicou que será favorável à liberação do registro, o ministro Marco Aurélio Mello deu sinais de que será contrário. Além de Zavascki, Arnaldo Versiani e Cármen Lúcia também irão votar.

Com informações da Agência Brasil