Jornalistas são assassinados na Colômbia

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 29 de abril de 2003 as 14:52, por: cdb

Dois jornalistas foram assassinados por pistoleiros em ataques isolados na Colômbia, que evidenciam novamente o risco que corre essa profissão em um país em guerra civil.

Um dos casos aconteceu na noite da última segunda-feira (28), segundo a polícia, na cidade de Neiva, 250 quilômetros a sudoeste de Bogotá. Dois homens entraram na casa de Guillermo Bravo Vega e dispararam quatro vezes contra o jornalista, que estava escrevendo em seu computador.

Bravo, 65 anos, trabalhava no canal local de televisão, assinava uma coluna em um jornal da cidade e era conhecido pelas denúncias que fazia contra os governos municipal e regional. Segundo a polícia, os assassinos fugiram de moto.

“Mataram-no por lutar contra a corrupção e os ladrões”, disse sua viúva, Cristina Flórez.

O outro assassinato aconteceu nesta terça-feira em Maicao, 750 quilômetros a nordeste da capital. A vítima foi Jaime Rengifo, que dirigia o programa de rádio chamado “Jornalistas em Ação”. Ele foi assassinado com cinco tiros quando saía do hotel onde morava.

Desde o começo do ano, quatro jornalistas já foram assassinados na Colômbia em situações aparentemente relacionadas ao exercício da profissão. Entidades como Jornalistas Sem Fronteiras e Sociedade Interamericana de Imprensa consideram a Colômbia um dos países mais perigosos do mundo para jornalistas.

Os profissionais da imprensa são vítimas frequentes de guerrilheiros de esquerda e de paramilitares de direita envolvidos na guerra civil, que já dura quatro décadas e matou 40 mil pessoas nos últimos 10 anos.

Também há ataques de traficantes e de outros grupos contra jornalistas, por causa de denúncias de corrupção. Desde 1980, mais de 100 jornalistas foram assassinados no país, enquanto dezenas foram obrigados a se exilar.