Jihad anuncia envio de homens-bomba a Bagdá

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado domingo, 30 de março de 2003 as 12:52, por: cdb

Uma nota divulgada pelo grupo palestino Jihad Islâmica informou neste domingo que o grupo enviou a sua primeira leva de homens-bomba para Badgá.

Os suicidas, segundo a nota da Jihad, ajudariam os iraquianos a lutar contra tropas americanas e britânicas quando elas chegarem à capital iraquiana.

“Os primeiros mártires já chegaram ao coração de Badgá, com o objetivo santo de defender as terras árabes e muçulmanas”, disse a nota, segundo a agência de notícias Reuters.

O Jihad é um dos grupos palestinos mais atuantes no Oriente Médio, assumindo autoria de vários atentados contra Israel. O grupo assumiu, por exemplo, a autoria do atentado, neste domingo, na cidade de Netanya, em Israel, que deixou pelo menos 30 pessoas feridas.

Mártires

O Jihad é classificado pelos Estados Unidos como um grupo terrorista.

O anúncio do envio de homens-bomba a Badgá acontece depois de o vice-presidente do Iraque, Taha Yassin Ramadan, afirmar que árabes de vários países estariam se voluntariando para realizar ataques suicidas contra tropas americanas no país.

Ramadan fez as declarações depois que um ataque suicida a um posto militar americano deixou quatro soldados mortos, perto da cidade de Najaf.

Segundo Ramadan, milhares de árabes muçulmanos estariam chegando ao Iraque para servirem de “mártires” da resistência iraquiana.

A informação não foi confirmada por nenhuma fonte independente. Mas um correspondente da BBC informa que, no início deste mês, autoridades iraquianas levaram um grupo de jornalistas estrangeiros para um campo de treinamento onde 40 pessoas de diversos árabes se disseram dispostas a se matar em combates.

No sábado, Ramadan já havia dito que ataques suicidas se tornariam rotina militar.

O Departamento de Defesa dos Estados Unidos, por sua vez, afirmou que os ataques suicidas não vão afetar suas operações no Iraque.

A televisão estatal iraquiana identificou o homem-bomba do sábado como um oficial de baixa patente do exército iraquiano, chamado Ali Hammadi al-Namani.

Ramadan disse que Namani era um pai de cinco filhos que tinha decidido sacrificar a vida para defender seu país.

Segundo a TV estatal iraquiana, o presidente Saddam Hussein emitiu uma nota oficial, logo depois de uma reunião com comandantes militares, “saudando o martírio” de Namani.