Japão enforca homem que matou crianças em escola

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 14 de setembro de 2004 as 09:17, por: cdb

O Japão enforcou nesta terça-feira um homem condenado por esfaquear até a morte oito crianças, em um caso que chocou o país e abalou o sentimento de segurança dos japoneses.
Mamoru Takuma, 40, foi executado menos de um ano depois de sua condenação à morte pelo ataque de 2001 contra uma escola no oeste do Japão.

A velocidade com que a sentença foi executada foi incomum para o Japão e provocou críticas de grupos de defesa dos direitos humanos. O Ministério da Justiça anunciou o enforcamento de dois homens, mas manteve sua prática de não identificar os envolvidos.

Mas a imprensa local disse os dois são Takuma, 40, e Sueo Shimazaki, 59, ex-líder de gangue que matou outros três criminosos em 1988. Segundo o sistema legal do Japão, os presos e seus parentes não são informados da execução iminente até o próprio dia do ato, algo que grupos de direitos humanos dizem ser desumano.

– Nada sobre as execuções fica claro – observou Yuji Ogawara, advogado de um grupo que pede uma moratória nas execuções.

– Os direitos dos condenados não estão sendo suficientemente protegidos – disse. 

O último enforcamento no Japão aconteceu em 12 de setembro de 2003. Takuma, desempregado que havia recebido tratamento por problemas mentais, declarou-se culpado pelas mortes e por ter ferido outras 13 crianças na escola em Ikeda, perto de Osaka.
Ele foi condenado à morte em agosto de 2003.

Sete meninas e um menino foram mortos em junho de 2001, quando Takuma invadiu uma sala de aula e começou a atingir as crianças com uma faca longa. Uma das crianças mortas tinha seis anos e as outras, sete. Pesquisas mostram que os japoneses apóiam a pena de morte, e os esforços para acabar com a medida tiveram pouco resultado.