Jandira, Freixo e Molon fecham acordo para unir a esquerda no Rio

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sexta-feira, 3 de junho de 2016 as 14:12, por: cdb

Durante a reunião, foi consenso que as três candidaturas são legítimas e de que a construção da unidade política de esquerda vai para além da eleição de outubro

 

Por Redação – do Rio de Janeiro

 

O encontro que reuniu, na manhã desta sexta-feira, no Centro do Rio, os candidatos da esquerda à prefeitura do Rio de Janeiro, terminou com propostas de apoio àquele candidato que chegar ao segundo turno das eleições de outubro deste ano. O diálogo foi realizado entre Jandira Feghali (PCdoB), Marcelo Freixo (PSOL) e Alessandro Molon (Rede Sustentabilidade).

Jandira Feghali
Jandira Feghali (PCdoB-RJ) é deputada federal e candidata à prefeitura do Rio de Janeiro

Durante a reunião, foi consenso que “as três candidaturas são legítimas e de que a construção da unidade política vai para além da eleição de outubro”, relata o cientista político Theófilo Rodrigues (PCdoB), coordenador do Centro de Estudos da Mídia Alternativa Barão de Itararé do Estado do Rio de Janeiro (Barão-RJ).

Marcelo Freixo representa o PSOL nas eleições municipais
Freixo representa PSOL nas eleições municipais

— Também ficou definido o poio de todos ao candidato da esquerda que chegar ao segundo turno na eleição para a prefeitura do Rio — acrescentou Theo Rodrigues.

A construção de debates permanentes sobre questões da cidade entre as três forças políticas foi outro ponto de coesão entre os três representantes das correntes majoritárias da esquerda, no país, com representação nesta capital.

Molon
Molon deputado mais votado do PT, está na Rede 

Jandira Feghali, que lançou sua candidatura na semana passada, acredita que há um ambiente favorável à união das esquerdas, principalmente no Rio de Janeiro, onde concorrerão os expoentes das linhas mais conservadoras da direita nacional. Segundo Jandira, o diálogo nesse momento é fundamental para a construção de uma candidatura capaz, seja no primeiro ou no segundo turno, de recolocar na prefeitura da Cidade as forças desenvolvimentistas e socialmente capazes de restaurar o ambiente de Justiça e cidadania perdidos ao longo das últimas administrações municipais.