Ivan aproxima-se de Cuba após matar ao menos 65 pessoas

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 13 de setembro de 2004 as 14:19, por: cdb

O furacão Ivan, um dos mais violentos já registrados no Atlântico, ganhou mais força na segunda-feira, quando se dirigia para Cuba depois de ter atingido as Ilhas Cayman, a Jamaica e Granada, matando ao menos 65 pessoas.

A imensa tempestade, com ventos médios de quase 260 km/h, destruiu telhados e atirou grande quantidade de água do mar sobre as Ilhas Cayman, um território britânico famoso por ser sede de várias empresas offshore.

As 65 mortes atribuídas ao Ivan foram registradas no Caribe. A Organização Pan-Americana de Saúde disse na segunda-feira que 37 pessoas tinham morrido em Granada — o número anterior de mortes era de 19.

Outras 19 foram mortas na Jamaica, quatro na Venezuela, quatro na República Dominicana e uma em Trinidad e Tobago.

O Ivan, agora um furacão de categoria 5 (a mais alta), deve passar perto da costa oeste de Cuba na segunda-feira à noite, previram meteorologistas.

O governo cubano tirou cerca de 1,3 milhão de pessoas de suas casas antes da chegada da tempestade, entre as quais 200 mil moradores da Província Pinar del Rio (oeste), onde os fortes ventos e as pesadas chuvas já chegaram, derrubando árvores e semáforos.

“Por sorte, não seremos atingidos pelo olho do furacão, mas a Província será duramente castigada”, afirmou Luis Alberto Diaz, um engenheiro do governo.

A Província de Pinar del Rio, fonte do tabaco usado na fabricação dos famosos charutos cubanos, foi atingida pelos furacões Isidore e Lili em 2002, sofrendo prejuízos de 40 milhões de dólares.

O preço do petróleo verificou uma alta na segunda-feira porque empresas que operam no golfo do México, de onde sai cerca de um quarto da produção de petróleo e gás norte-americana, preparavam-se para ter problemas devido ao furacão.

Em Grand Cayman, a maior das três ilhas de Cayman, casas e empresas ficaram alagadas, uma pista de aeroporto foi coberta pelas águas e vários tetos foram destruídos em consequência da passagem do Ivan, no domingo.

As três ilhas estavam sem eletricidade e com grande parte de seu território alagado, disse a Cayman Net News, uma agência de notícias que opera pela Internet.

Os danos foram maiores em Granada, onde 90 por cento das construções foram derrubadas ou severamente danificadas.

O furacão pode chegar à Flórida, tornando-se o terceiro a atingir a região em um mês.

Devido à proximidade do Ivan, o México começou a retirar 12 mil moradores e turistas da Isla Mujeres, um local turístico localizado a 13 km de Cancún.