Itamaraty barra entrada de observadores internacionais nas eleições brasileiras

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sexta-feira, 4 de outubro de 2002 as 09:48, por: cdb

O Itamaraty negou nesta quinta-feira a possibilidade de que a presença de novos observadores – além dos já convidados pelo governo – seja permitida nas eleições deste ano. A BBC Brasil apurou que um representante da embaixada norte-americana pediu informalmente ao Tribunal Superior Eleitoral para enviar 12 diplomatas ao país com a intenção de acompanhar as votações deste fim-de-semana.

O TSE autorizou, também informalmente, a viagem dos norte-americanos e comunicou ao Itamaraty. Depois disso, a diplomacia brasileira emitiu uma nota dizendo que não seriam convidados mais observadores e fechou a porta para os enviados americanos.

Processo técnico

Pedidos formais de outros países também já teriam sido vetados. A embaixada americana nega que tenha feito qualquer pedido. De acordo com a assessoria da embaixada dos Estados Unidos, estão vindo ao Brasil apenas os representantes convidados pelo governo brasileiro.

Ainda segundo a assessoria, a missão americana local vai acompanhar as votações por meio de sua equipe, com funcionários americanos e brasileiros viajando pelo país. Às vésperas da eleição, estão chegando ao Brasil mais de 70 observadores internacionais convidados pelo Itamaraty e pelo Tribunal Superior Eleitoral.

Todos esses convites foram feitos por meio da diplomacia brasileira e incluem equipes técnicas de 37 países e de entidades como a Organização das Nações Unidas. O que o Itamaraty quer evitar é que haja qualquer conotação política na visita dos observadores.

Assunto delicado

Desde que assessores de Ciro Gomes (PPS) chegaram a aventar, durante a campanha eleitoral, a possibilidade de pedir observadores internacionais para evitar uma fraude nas eleições deste ano, o assunto se tornou mais delicado. O cunho dado à visita dos estrangeiros, que começa nesta sexta-feira, é eminentemente técnico.

As equipes estarão conferindo o funcionamento da urna eletrônica e do processo eleitoral informatizado e não terão nenhuma função política ou investigativa. A viagem dos convidados está sendo organizada pelo Itamaraty e pelo TSE. Estão previstas visitas a pelo menos nove cidades e o acompanhamento de todo o processo de consolidação de dados em Brasília.