Itália prende mais seis suspeitos do caso Parmalat

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 31 de dezembro de 2003 as 11:46, por: cdb

A polícia italiana anunciou a prisão de outros seis suspeitos de envolvimento na fraude que levou à concordata da gigante de laticínios Parmalat.

Entre eles estão dois ex-executivos do departamento financeiro da empresa, Fausto Tonna e Luciano Del Soldato, e dois ex-executivos da empresa de auditoria que prestava serviços à Parmalat, a Grant Thornton.

Na terça-feira, um juiz italiano ordenou que o ex-presidente da Parmalat Calisto Tanzi permaneça preso enquanto continuar a investigação sobre as contas da empresa.

Tanzi, que foi preso na sexta-feira, ainda não foi acusado formalmente, mas o juiz Guido Salvini negou os pedidos dos advogados do empresário para que ele fosse mantido em prisão domiciliar.

Rombo

Promotores passaram a terça-feira interrogando membros da família Tanzi, incluindo o filho e o irmão de Calisto.

Tanzi negou ter acobertado a fraude que teria causado um rombo de até 8 bilhões de euros (cerca de R$ 29 bilhões) nas contas da empresa, afirmando que ela foi encoberta por outros executivos da empresa, por sua própria vontade.

Anteriormente, Calisto Tanzi já havia admitido o desvio de cerca de 500 milhões de euros (cerca de R$ 1,8 bilhões) para financiar outros setores das empresas controladas por sua família.

Acredita-se que cerca de 20 pessoas, entre elas Tanzi, possam ser indiciadas por participação no esquema de fraude que levou a Parmalat a pedir concordata, depois do rombo.

Na terça-feira, a Parmalat foi acusada de praticar uma fraude “descarada” pela SEC, a comissão federal responsável pela regulação do mercado financeiro americano.