Israelense é morta e encontro Arafat e Peres fica para esta terça-feira

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 24 de setembro de 2001 as 16:58, por: cdb

Uma mulher israelense foi morta a tiros na Cisjordânia, de acordo com a polícia de Israel, na manhã desta segunda-feira. A morte ocorre logo depois do primeiro-ministro de Israel, Ariel Sharon, adiar o encontro entre o presidente da autoridade palestina, Yasser Arafat, e o ministro das Relações Exteriores israelense, Shimon Peres. Segundo entendimentos em curso, os dois líderes devem manter o encontro para esta terça-feira.

Rafi Yaffe, um porta-voz da polícia israelense, afirmou à agência de notícias Reuters que palestinos atiraram em um carro, matando a israelense, perto da vila de Bardaleh, na Cisjordânia.

O governo de Israel afirma que não vai negociar com os palestinos enquanto não houver um cessar-fogo. Os israelenses também criaram uma zona intermediária, de exclusão, de 30 quilômetros de comprimento em partes da Cisjordânia – os palestinos não têm acesso a estas áreas.

Entrada proibida

A zona de exclusão passa pelas cidades de Tulkarm e Jenin, consideradas pelos israelenses como centros de atividades de militantes palestinos.

Segundo uma declaração do Exército de Israel, a entrada na área “está proibida a todos os moradores palestinos da Cisjordânia, a não ser que eles tenham uma permissão especial”.

A morte da israelense ocorre depois de um período de relativa calma, depois que o Exército de Israel fez uma rápida incursão no território controlado por palestinos, na Faixa de Gaza, no sábado.

A entrada ocorreu depois do Exército israelense afirmar que palestinos dispararam dois morteiros contra o assentamento judeu de Kfar Darom em Gaza. Ninguém foi ferido.

Autoridades israelenses afirmaram no domingo que o líder palestino Yasser Arafat ignorou o cessar-fogo de 48 horas exigido por Ariel Sharon, como condição para a retomada das conversações de paz.

Sharon acrescentou que um encontro entre o ministro das Relações Exteriores israelense, Shimon Peres, e Arafat, pode não acontecer.

Pressão americana

Os Estados Unidos estão pressionando o primeiro-ministro israelense, Ariel Sharon, a retomar as negociações com os palestinos, para conseguir o apoio de árabes e muçulmanos à coalização internacional contra o terrorismo.

O secretário de Defesa americano, Colin Powell, afirmou que o governo em Washington ainda está pressionando os dois lados para a retomada das conversações de paz no Oriente Médio.

“No momento estamos trabalhando para ver se conseguimos que o Sr. Arafat e o Sr. Peres se encontrem em um futuro próximo”, disse Powell em uma entrevista.

Arafat não fez comentários diretos a respeito do cancelamento do encontro de domingo.

Mas ele acusou Israel de explorar as condições atuais, depois dos atentados de 11 de setembro aos Estados Unidos.