Israel vai enviar lista de exigências à Síria

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 14 de abril de 2003 as 10:30, por: cdb

Israel pretende entregar uma lista de exigências à Síria através dos Estados Unidos. Essas incluem a expulsão do grupo Hezbollah do sul do Líbano e de organizações militantes palestinas de Damasco, informou nesta segunda-feira o ministro da Defesa israelense, Shaul Mofaz, que acusou o governo sírio de possui armas químicas.

No domingo, o presidente norte-americano George W. Bush havia advertido a Síria para não dar refúgio a integrantes do regime iraquiano de Saddam Hussein. Mas Damasco negou estar recebendo fugitivos do país vizinho.

Frente a uma nova realidade no Oriente Médio, após a guerra no Iraque, Israel vê a oportunidade de remover a potencial ameaça síria de suas fronteiras, declarou Mofaz, em uma entrevista publicada no jornal Maariv, nesta segunda-feira.

A Síria mantém mais de 30 mil soldados no Líbano. Durante os 18 anos de ocupação israelense do sul desse país, a Síria permitiu a chegada de armas do Irã ao Hezbollah em apoio à luta do grupo contra Israel.

As negociações de paz entre Israel e a Síria fracassaram em 2000 devido a um impasse em torno da disputa sobre as Colinas de Golã, capturadas por Israel na Guerra dos Seis Dias, em 1967.

Preocupação com o Hezbollah

Embora vigore uma relativa tranqüilidade na fronteira entre Israel e o Líbano desde a retirada israelense de território libanês, em maio de 2000, Mofaz disse que o Hezbollah ainda representa uma ameaça.

Autoridades israelenses acusam o grupo de possuir cerca de 10 mil foguetes Katyusha e dezenas de mísseis de longo alcance que poderiam atingir cidades no centro do território israelense.

“Nós temos uma longa lista de questões que pensamos em exigir dos sírios, e isso seria melhor feito através dos norte-americanos”, indicou Mofaz.

Israel quer que o arsenal do Hezbollah seja removido do sul do Líbano e o grupo desmantelado, segundo Mofaz. O governo israelense pressionará também pelo fim da ajuda iraniana, que chega ao Hezbollah através de portos sírios.

Israel também exigirá que a Síria deixe de abrigar representantes de grupos militantes palestinos, como o Hamas e a Jihad Islâmica, os quais o ministro afirmou terem seus “centros de comando” em Damasco e, dessa capital, enviarem ordens e dinheiro para ativistas nos territórios palestinos.

O Governo Bush vem aumentando sua carga contra a Síria nos últimos dias.

“Nós esperamos cooperação, e estou esperançoso de que receberemos cooperação”, declarou Bush no domingo.

Nafez Azzam, o líder da Jihad Islâmica na Faixa de Gaza, disse que seu grupo mantém apenas uma presença simbólica na Síria e que a campanha norte-americana contra esse país é uma continuação de sua guerra no Iraque.

Mas os árabes “não se renderão”, avisou. “A Síria tem uma posição clara de apoio ao povo palestino e todos ficarão do lado da Síria em face dessa campanha”.