Israel prende integrantes de movimento islâmico no país

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 13 de maio de 2003 as 08:44, por: cdb

A Polícia israelense deteve nesta terça-feira o líder e 13 membros do Movimento Islâmico de Israel sob a acusação de que haviam canalizado milhões de dólares para o grupo Hamas, que já assumiu a responsabilidade por uma série de atentados suicidas.

As prisões sinalizam uma crescente deterioração nas relações entre o governo e a minoria árabe-israelense – cerca de um sexto da população, de 6,5 milhões de habitantes.

Os árabe-israelenses queixam-se há muito tempo de discriminação sistemática. As tensões intensificaram-se desde que a Polícia matou 13 árabes em protestos contra o governo, em outubro de 2000.

O Movimento Islâmico é a maior organização árabe em Israel. Está dividida em um ramo mais pragmático, que participa da vida política israelense, e um mais radical, que apóia o Hamas – um grupo palestino que atua na Cisjordânia e na Faixa de Gaza.

O ministro de Polícia israelense, Tzahi Hanegbi, alegou nesta terça-feira que o chamado ramo do norte do Movimento Islâmico “inflamou a fogueira do terrorismo”.

A organização não comentou de imediato o assunto. O Hamas disse que não possui vínculos com o Movimento Islâmico e que este fornece assistência humanitária aos palestinos.

Hanegbi afirmou que não fazia muita diferença se o dinheiro foi usado para a compra de explosivos ou dado a famílias de terroristas suicidas.

“O terror não existe sem uma infra-estrutura financeira”, acrescentou.

O Hamas classificou as detenções de “uma nova escalada contra muçulmanos e árabes na Palestina ocupada”.