Israel isola Ramallah e fecha fronteira com Cisjordânia

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado domingo, 18 de maio de 2003 as 16:42, por: cdb

O Exército israelense cercou a cidade de Ramallah, na Cisjordânia, neste domingo, depois que um atentado a bomba em um ônibus deixou pelo menos sete mortos e 20 feridos em Jerusalém no início da manhã.

O país fechou suas fronteiras junto à Cisjordânia e à Faixa de Gaza. O Exército disse que o fechamento seria completo e que nenhum palestino poderia deixar ou entrar em Israel.

O suicida estava disfarçado de judeu ortodoxo, vestindo um manto de orações sobre os ombros e um solidéu na cabeça, disse um porta-voz da polícia.

O ataque ocorreu apenas algumas horas após o primeiro encontro oficial entre os primeiros-ministros de Israel, Ariel Sharon, e o palestino, Mahmoud Abbas (também conhecido como Abu Mazen). Eles discutiram o “road map”, novo plano de paz para a região (clique aqui para ler mais).

Após a notícia do atentado, Sharon anunciou o adiamento de sua viagem para encontrar o presidente americano, George W. Bush, em Washington. Ele embarcaria neste domingo, mas não revelou quando pretende viajar.

Segundo ataque

De acordo com a imprensa israelense um outro homem-bomba explodiu pouco depois na mesma área da cidade, a cerca de 1 km do local, mas a única vítima teria sido o suicida.

O atentado contra o ônibus ocorreu pouco antes das seis da manhã (meia-noite em Brasília), no início do horário de pico. Domingo é dia útil em Israel e muitas pessoas se dirigiam ao trabalho.

“Os explosivos eram grandes e o ônibus foi destruído”, disse Mickey Levy, comandante da polícia de Jerusalém.

O ataque foi realizado em um importante entroncamento no norte da cidade, onde vários israelenses pegam ônibus para chegar ao centro de Jerusalém.

Horas antes, na noite de sábado, militantes palestinos já haviam cometido um atentado a bomba na cidade de Hebron, na Cisjordânia, matando um israelense e sua mulher grávida.

Outros dois palestinos armados morreram ao enfrentar militares de Israel quando tentavam entrar num assentamento judaico na Cisjordânia.