Israel ataca posto palestino na Faixa de Gaza

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 30 de julho de 2001 as 16:50, por: cdb

Helicópteros israelenses atacaram com morteiros um posto policial palestino na Faixa de Gaza, nesta segunda-feira, em mais um episódio da escalada da violência no Oriente Médio.

Quatro policiais ficaram levemente feridos. Segundo testemunhas, houve pânico, com pessoas correndo para as ruas para fugir do ataque.

O Exército de Israel disse que o edifício – que fica perto do escritório do líder Yasser Arafat – estava sendo utilizado na fabricação de armamentos.

A acusação foi negada pelo chefe da força policial palestina em Gaza, Gazi el-Jabaly.

Base

O chefe da polícia palestina disse à BBC que no local não funcionava uma fábrica de armamentos, mas apenas uma base, em que eram formados policiais para proteger a população palestina.

A tensão entre israelenses e palestinos aumentou depois de vários choques registrados em Jerusalém no domingo e uma explosão à noite em Fara, no norte da Cisjordânia.

Seis ativistas pertencentes ao movimento Fatah, de Yasser Arafat, morreram na explosão – pela qual o governo israelense negou ser responsável.

A Autoridade Palestina avisou que o último ataque israelense apenas iria encorajar novas ações violentas por parte dos palestinos.

Cessar-fogo violado

Um oficial da base palestina disse que três mísseis foram lançados contra um prédio onde ficavam localizados os banheiros de um posto de treinamento, próximo ao depósito de armas do complexo.

O local já havia sido atacado várias vezes por Israel desde o início da recente onda de violência no Oriente Médio, há dez meses.

Mas, segundo o correspondente da BBC Kylie Morris, a ação de helicópteros desta segunda-feira foi a primeira dessa natureza desde o estabelecimento de um cessar-fogo em junho.

A maior parte da violência em Gaza tem se limitado ao sul, na cidade de Rafah, perto da fronteira, e em torno de assentamentos judaicos.

Funerais

Milhares de palestinos participaram nesta segunda-feira do funeral dos seis homens mortos na explosão ocorrida em Fara.

Quatro corpos foram enrolados na bandeira palestina. Os outros dois, mutilados pela explosão, foram levados em caixões fechados.

As forças de segurança palestinas disseram que a explosão foi causada por um tanque israelense.

Israel negou qualquer envolvimento com o caso, dizendo que os seis homens morreram quando uma bomba que eles mesmos preparavam explodiu.

No domingo, houve confrontos em Jerusalém no local sagrado onde fica a mesquisa de Al-Aqsa.

Palestinos atiraram pedras contra judeus que rezavam no Muro das Lamentações, depois que um grupo de judeus ultra-nacionalistas realizou uma cerimônia simbolizando a futura construção de um novo templo judeu.