Israel acusa Síria de sabotar nova liderança palestina

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 10 de janeiro de 2005 as 06:50, por: cdb

O diretor do Departamento de Assuntos Políticos e Segurança do Ministério da Defesa israelense, general da reserva Amos Guilad, acusou o governo da Síria, nesta segunda-feira, de sabotar a nova liderança palestina encarnada por Mahmoud Abbas (Abu Mazen).

Este foi o objetivo político dos guerrilheiros islâmicos de Hisbolá (Partido de Deus), que ontem, domingo, ativaram uma carga explosiva contra um jipe militar de Israel no sul do Líbano e causaram a morte de um capitão, Sharon Elmakais, e feriram três de seus soldados, declarou esta manhã Guilad a rádio pública.

– A Síria controla o sul libanês e é responsável pelas operações dos terroristas de Hisbolá, que apóia dezenas de células terroristas palestinas em Gaza e Cisjordânia. – afirmou.

As organizações islâmicas da resistência palestina contra a ocupação militar israelense nesses territórios boicotaram as eleições presidenciais deste domingo, das quais, segundo todas as pesquisas, Abu Mazen saiu como vencedor.

O objetivo último do ataque da véspera perto da fronteira do norte de Israel com o Líbano, é “desestabilizar” o futuro governo de Abu Mazen, indicou Guilad.

Segundo o canal de televisão de Hisbolá, a artilharia israelense matou um oficial dos guerrilheiros, Ibrahim Salameh, de 30 anos, e um oficial francês das forças da ONU no Líbano (Finul), e outro membro, de nacionalidade sueca, ficou ferido.

O governo israelense espera que o futuro presidente Abbas, sucessor do falecido Yasser Arafat, combata e desarme as facções armadas como as do Hamas e a Jihad Islâmica, que também, segundo fontes militares israelenses, recebem treinamento por parte de membros dos guerrilheiros libaneses.