Iraque nega que exército americano esteja na capital

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sábado, 5 de abril de 2003 as 08:26, por: cdb

O Iraque desmentiu a versão dos Estados Unidos, que afirmam estar no centro de Bagdá com uma grande coluna de veículos encouraçados e tanques, neste sábado, alegando que os americanos permanecem cercados nas proximidades do aeroporto internacional de Bagdá.

Segundo o ministro da Informação iraquiano, Mohammed Saeed Al-Sahaf, o aeroporto estaria sob controle da Guarda Republicana e os americanos estariam encurralados no distrito de Abu Guraybh. O general Nabil Muhammed Salim, classificou as informações sobre o avanço americano de “guerra de informação”.

Por outro lado, o capitão Frank Thorpe, porta-voz do Comando Central americano no Catar, disse que as suas tropas teriam derrotado pequenas unidades da Guarda Republicana do Iraque, reforçadas por integrantes das tropas especiais que dão proteção aos líderes do partido Ba’ath, e já estariam no centro de Bagdá.

Ele disse ainda que a operação em Bagdá já não seria mais apenas uma missão de reconhecimento e que “números substanciais de soldados” estariam dentro da capital. Sirenes de alerta foram ouvidas várias vezes na cidade.

Feridos

Agências de notícias dizem que oficiais americanos já teriam admitido que vários soldados já foram feridos durante a ofensiva rumo ao centro de Bagdá.

No entanto, correspondentes da BBC na região central da capital iraquiana ainda não constataram nenhuma grande movimentação militar.

“Ouvimos sons de tiros de armas leves e fogo de morteiros vindo dos subúrbios ao sul da cidade”, disse o correspondente Rageh Omaar.

Enquanto isso, a sudoeste da capital, jornalistas que acompanham a unidade de infantaria mecanizada dos Estados Unidos no aeroporto internacional de Bagdá afirmam que um intenso tiroteio contra defensores iraquianos à beira da estrada aconteceu durante o deslocamento dos militares rumo à cidade.

Nos subúrbios a leste de Bagdá, batalhas sangrentas estariam sendo travadas às margens do rio Tigre, entre fuzileiros navais americanos e a Guarda Republicana do Iraque.

Segundo o correspondente da BBC no local, David Willis, a batalha está desigual, como se pode confirmar pelo grande número de corpos de iraquianos, posições de artilharia e tanques queimados, abandonados às margens das estradas.

No sudeste de Bagdá, as defesas do quartel-general da divisão de Medina da Guarda Republicana, em Suwayrah) parecem ter fracassado retumbantemente, segundo um jornalista que viaja com a divisão de infantaria americana.

Fontes militares americanas informaram ter enviado reforços para a região do aeroporto de Bagdá, que os Estados Unidos dizem que está sob controle das forças invasoras.

Apesar das ameaças do governo iraquiano de surpreender os soldados comandados pelos Estados Unidos no aeroporto com “ações não-convencionais”, até o momento não teria sido registrado nenhum conflito.

Ação não-convencional

Na sexta-feira, o ministro iraquiano da Informação, Mohammad Saeed Al Sahaf, disse que o Iraque planejava fazer uso de uma “ação não convencional” contra as tropas americanas no aeroporto.

Sahaf disse que as tropas americanas no aeroporto seriam aniquiladas. “Nossa avaliação inicial é que nenhum deles vai sair de lá vivo”, disse.

No entanto, durante toda a madrugada e manhã de sábado, não houve problemas na área.

Um grupo de fuzileiros navais americanos se deslocou nas últimas horas para os limites de Bagdá a sudeste da cidade, onde teria ocorrido um pesado bombardeio.

As forças lideradas pelos Estados Unidos também teriam fechado a estrada ligando Bagdá à cidade de Tikrit, a noroeste da capital.

Em outro desdobramento, fontes militares americanas informaram ter encontrado milhares de caixas contendo líquidos e pós não-identificados no complexo industrial de Latifiya, ao sul de Bagdá.

Junto com os componentes, os americanos dizem ter encontrado manuais contendo instruções sobre armas químicas.

Mortes

A agência de notícias Associated Press informou que