Iraque diz que pelo menos 15 civis morrem em novo bombardeio a Bagdá

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 26 de março de 2003 as 10:12, por: cdb

Pelo menos 15 civis morreram e 30 ficaram feridos nesta quarta-feira, em um bairro residencial do norte de Bagdá, aparentemente em conseqüência de um bombardeio aéreo realizado por forças da coalizão liderada pelos Estados Unidos, disseram autoridades iraquianas e correspondentes da agência de notícias Reuters que estiveram no local atingido.

O Comando Central da coalizão, localizado no Catar, anunciou que está investigando a notícia.

“Nós estamos vendo essas mesmas notícias; estamos verificando”, disse uma autoridade norte-americana, pedindo anonimato.

A fonte acrescentou que os Estados Unidos tomaram todas as precauções para evitar a morte de civis, mas disse que acidentes podem às vezes acontecer.

“Nesse caso, nós não estamos certos” do que pode ter ocorrido, disse.

O ministro da Informação iraquiano, Muhammad Said al-Sahaf, afirmou que o ataque, num movimentado mercado do bairro de Shaab, causou “muitas, muitas vítimas”. Um repórter da Reuters acrescentou: “Aparentemente, dois mísseis atingiram blocos de apartamentos” no bairro.

Os correspondentes disseram também que as explosões danificaram outros prédios e lojas, além de destruir vários carros, que pegaram fogo. Aviões norte-americanos e britânicos vêm bombardeando diariamente alvos em Bagdad, desde o início da guerra, em 19 de março.

A notícia sobre vítimas civis em Bagdad levou uma multidão de manifestantes enfurecidos às ruas da cidade. Os manifestantes gritaram palavras de ordem contra os Estados Unidos e a Grã-Bretanha e de apoio a Saddam Hussein.

Correspondentes afirmaram que entre os mortos havia uma mulher grávida. Residentes disseram que as explosões foram ouvidas por volta de 11h30 (5h30, hora de Brasília).

O chefe da unidade de defesa iraquiana no bairro, Haneed Dulaimi, afirmou que não havia instalações militares na região. A emissora de televisão iraquiana e estações de outros países árabes mostraram imagens feitas imediatamente após as explosões.

Corpos das vítimas foram mostrados, bem como os protestos que se seguiram ao incidente.