Iraque diz que coalizão pode usar armas de destruição em massa

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sexta-feira, 28 de março de 2003 as 17:19, por: cdb

O ministro da Informação do Iraque, Mohammed Said al-Sahaf, disse nesta sexta-feira que são as forças da coalizão liderada pelos Estados Unidos – e não as iraquianas – que podem vir a usar armas de destruição em massa em meio à frustração ou à derrota.

Al-Sahaf contestou alegações de que o Iraque pudesse estar planejando usar armas químicas, uma vez que as forças norte-americanas disseram ter encontrado 3.000 roupas de proteção e antídotos contra agente dos nervos.

“O soldado iraquiano está preparado e recebeu inclusive máscaras de gás”, afirmou. “(Os Estados Unidos sabem) que soldados em guerra devem estar preparados para qualquer situação e as máscaras são parte disso”.

Al-Sahaf argumentou que as forças norte-americanas poderiam usar armas de destruição em massa “devido à frustração, à derrota e à resistência, que aumentará a cada dia”.

O ministro também criticou os bombardeios norte-americanos a prédios do governo em Bagdá, dizendo que as forças da coalizão estavam atacando “como se não houvesse civis nesses locais”.

“Quando eles bombardeiam esses prédios, também atingem casas e lares próximos”, observou.

Al-Sahaf disse que as forças da coalizão estavam atacando áreas civis nos arredores de Najaf, a cerca de 160 quilômetros ao sul de Bagdá.

“Eles bombardearam áreas civis e aqueles covardes usaram bombas de fragmentação”, acusou.

O ministro relatou que as forças da coalizão “enfrentaram resistência” da população de Najaf e dos integrantes do Fedayeen, um grupo paramilitar leal a um dos filhos do presidente iraquiano Saddam Hussein, Uday.

“A campanha contra Najaf resultou em fracasso e eles bateram em retirada”, acrescentou.

Al-Sahaf rejeitou declarações do general Richard Myers, chefe do Estado-Maior Conjunto das Forças Armadas dos Estados Unidos, que acusou o regime iraquiano de atacar seus próprios cidadãos.

“Ele deve estar louco”, reagiu, chamando as alegações de “propaganda”.

Al-Sahaf afirmou que um camponês havia destruído um tanque norte-americano com uma granada e que um civil da província de Al Muthanna atingiu um helicóptero da coalizão.