Iraque dá sinais de aceitação à resolução da ONU

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 7 de novembro de 2002 as 15:41, por: cdb

A imprensa oficial do Iraque deu sinais claros, nesta quinta-feira, de que o governo do presidente Saddam Hussein estaria se mobilizando para aceitar uma nova resolução das Nações Unidas, que prevê o retorno dos inspetores de armas ao país.

O Conselho de Segurança da ONU recebeu dos Estados Unidos a versão final da proposta de resolução e a expectativa é de que vote o documento nesta sexta-feira.

O jornal al-Thawra (“Revolução”), do partido governante Ba’ath, acusou os Estados Unidos de tentarem destruir o Iraque para assumir o controle de suas reservas de petróleo.

Por outro lado, a publicação deixou no ar a possibilidade de Saddam Hussein acatar as novas determinações.

“Não é de interesse do Iraque ignorar ou violar as resoluções do conselho, como outros fazem”, afirmou o al-Thawra. “Em troca, o Iraque espera que o Conselho de Segurança não ignore os direitos do país”.

O jornal sustenta que, embora não tenha condições de competir militarmente com os Estados Unidos, o Iraque vem sendo punido por fazer oposição a Washington.

Os comentários no al-Thawra parecem uma indicação clara de que, apesar de suas fortes objeções, o governo iraquiano deverá aceitar a resolução que está sendo negociada desde quarta-feira no Conselho de Segurança, em Nova York.

Tradicionalmente, o Iraque afirmava não haver necessidade de uma nova resolução da ONU.

Também o jornal oficial al-Jumhiriya (“República”), publicou um editorial sobre a posição do Iraque, citando declarações de Saddam Hussein segundo as quais o país aceitaria uma resolução que respeite a lei internacional, assim como a soberania e a segurança nacionais.

A nova resolução atende a algumas das reivindicações do Iraque, por reconhecer a soberania e a integridade territorial do país. Mas também inclui artigos como o direito à inspeção de prédios presidenciais sem aviso prévio – algo que Bagdad afirma ser uma violação.

Sob condição de anonimato, diplomatas no Golfo Pérsico e autoridades iraquianas afirmaram que o governo de Bagdad não vê outra escolha a não ser aceitar o retorno dos inspetores de armas da ONU sob as condições determinadas pelo Conselho de Segurança.

Para ser implementada, a resolução tem que ser aprovada por nove dos 15 integrantes do Conselho de Segurança e não pode receber veto de nenhum dos membros permanentes do órgão – Estados Unidos, França, Grã-Bretanha, Rússia e China.

Franceses e russos revelaram ainda ter preocupações com “ambigüidades” no texto, as quais poderiam permitiriam um ataque dos Estados Unidos ao Iraque.