Iraque acusa Estados Unidos de planejar invasão

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sexta-feira, 3 de janeiro de 2003 as 00:15, por: cdb

O Iraque acusou os Estados Unidos nesta quinta-feira de planejar a invasão do território iraquiano, apesar da cooperação do governo de Saddam Hussein com os inspetores de armas da ONU (Organização das Nações Unidas).

O vice-primeiro-ministro do Iraque, Tariq Aziz, declarou que, desde que chegaram, os inspetores das Nações Unidas tiveram a liberdade de visitar todos os lugares que quiseram no país.

Apesar disso, de acordo com Aziz, nenhuma evidência de que o Iraque possui armas de destruição em massa foi encontrada.

O vice-primeiro-ministro iraquiano disse que o fato de o governo americano não esperar pelos resultados das inspeções da ONU demonstra a intenção dos Estados Unidos de ocupar o Iraque para controlar o petróleo do país.

Mobilização de tropas

As declarações de Aziz foram uma resposta às informações de que os Estados Unidos estão enviando mais 15 mil soldados para a região do Golfo Pérsico, em preparação para uma possível ofensiva militar contra o Iraque.

Os soldados pertencem a uma unidade de infantaria especializada em combate no deserto e fazem parte do primeiro grupamento de combate completo a ser mandado para a área.

Um radar do sistema de defesa do Iraque foi destruído por caças britânicos e americanos – o que aumentou ainda mais a tensão nas relações dos dois países com o governo iraquiano.

Segundo um porta-voz dos militares americanos na região, o radar foi destruído depois que forças iraquianas foram mobilizadas na cidade de Al-Qurnah, cerca de 210 quilômetros ao sudeste de Bagdá.

Morte

A manobra iraquiana foi interpretada como uma ameaça aos aviões britânicos e americanos que estão na região para garantir que o Iraque respeite as zonas de exclusão aérea no norte e sul do país.

Os iraquianos, no entanto, dizem que o ataque visou instalações civis e que uma pessoa morreu.

Grande parte dos equipamentos e armas que podem ser utilizados pelo grupamento de combate no deserto já foram embarcados para o golfo, e alguns militares estão recebendo treinamento especial no Kuwait.

Aviões de guerra americanos, incluindo bombardeiros B-1 e caças F-15, também foram colocados em estado de alerta.

Analistas afirmam que um outro sinal de que os americanos estão se preparando para um ataque iminente ao Iraque foi a decisão de deslocar nos próximos dias um imenso navio-hospital da Marinha para o local.