Irã só irá assinar acordo nuclear se sanções forem retiradas simultaneamente

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 9 de abril de 2015 as 10:32, por: cdb
O presidente Hassan Rouhani em discurso transmitido pela televisão nesta quinta-feira
O presidente Hassan Rouhani em discurso transmitido pela televisão nesta quinta-feira

 

O Irã só vai assinar um acordo nuclear final com seis potências mundiais se todas as sanções impostas ao país devido ao polêmico programa nuclear forem levantadas no mesmo dia, disse o presidente Hassan Rouhani em discurso transmitido pela televisão nesta quinta-feira.

O Irã e as potências chegaram a um acordo preliminar na semana passada na cidade Suíça de Lausanne que visa restringir o trabalho atômico de Teerã, em troca da retirada das sanções econômicas impostas ao país.

Todos os lados estão trabalhando até o prazo de 30 de junho para finalizarem um acordo final sobre o trabalho nuclear iraniano, que as potências ocidentais temem ter como objetivo o desenvolvimento de uma bomba atômica, mas que Teerã diz ser puramente pacífico.

– Nós não vamos assinar qualquer acordo, a menos que todas as sanções sejam levantadas no mesmo dia… Queremos um acordo ganha-ganha para todas as partes envolvidas nas negociações nucleares – disse Rouhani.

Desde que foi alcançado o acordo preliminar, o Irã e os Estados Unidos parecem ter interpretações diferentes sobre algumas questões, incluindo o ritmo e a extensão da remoção de sanções.

Líderes iranianos

O líder supremo do Irã, Aiatolá Ali Khamenei, manifestou-se nesta quinta-feira sobre o acordo nuclear prévio acertado na semana passada entre seu país e potências mundiais, afirmando não ser “nem a favor nem contra” o pacto e ressaltando que este ainda não é definitivo.

– O que foi feito até agora não garante um acordo (definitivo), nem seu conteúdo, nem que as negociações irão até o fim – declarou Khamenei.

Horas antes, o presidente iraniano, Hassan Rohani, disse que a aprovação de um acordo definitivo depende da remoção imediata das sanções impostas pelo Ocidente no contexto do programa nuclear do país.

Rohani declarou que o acordo prévio serve como prova de que o Irã “não se rendeu à política de pressão e sanções”. “Essa é uma vitória nossa”, comemorou. As declarações sinalizam uma posição mais rígida de Teerã, que poderia estar tentando acumular poder de barganha.

O Irã e seis potências mundiais chegaram a um acordo prévio na semana passada sobre o pacto que deverá restringir a capacidade do país de produzir armas nucleares em troca do acesso dos iranianos a contas bancárias congeladas, mercados de petróleo e bens financeiros bloqueados. As linhas gerais definidas na semana passada terão agora que ser detalhadas num acordo mais amplo, até 30 de junho.

O acordo prévio, porém, não prevê a imediata remoção das sanções, e especifica que estas seriam retiradas somente após observadores internacionais verificarem se Teerã se comprometeu de fato com as limitações previstas no pacto. Além disso, se em algum momento o país falhar ao cumprir o acordado, as sanções seriam imediatamente restabelecidas.