Irã diz que programa nuclear seguirá adiante

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 20 de outubro de 2009 as 10:26, por: cdb

O Irã nunca abandonará seu direito “legal e óbvio” à tecnologia nuclear, disse o ministro do Exterior, Manouchehr Mottaki, nesta terça-feira, acrescentando que o país não tem planos de suspender suas atividades de enriquecimento de urânio.

– As reuniões com potências mundiais e seu comportamento mostram que o direito do Irã de ter tecnologia nuclear pacífica foi aceito por elas… O Irã nunca abandonará seu direito óbvio e legal – disse Mottaki em entrevista coletiva.

As negociações entre o Irã e as potências mundiais sobre um acordo para tranquilizar as preocupações sobre o programa nuclear iraniano começaram na segunda-feira em Viena. Elas deveriam ser retomadas na manhã desta terça-feira, mas o reinício foi atrasado, pois representantes dos Estados Unidos, da França e do Irã realizavam pequenas conferências nos corredores. A razão para o atraso não estava clara.

A reunião, promovida pela Agência Internacional de Energia Atômica, órgão de fiscalização de energia nuclear da ONU, é a primeira chance de trabalhar em cima das propostas levantadas nas negociações de 1° de outubro em Genebra para quebrar um impasse deflagrado pelas suspeitas de que o programa iraniano de enriquecimento de urânio seja um disfarce para a fabricação de uma bomba.

Mottaki elogiou as negociações. O Irã concordou em Genebra, em princípio, em mandar urânio enriquecido em uma baixa taxa para o exterior para que seja processado em combustível para um reator em Teerã que produz isótopos médicos.

– Vemos desdobramentos importantes nas negociações… a continuação das conversas pode levar a um acordo sobre o fornecimento ao Irã de urânio enriquecido em 20% – disse Mottaki.

– O que queremos é nosso direito baseado no Tratado de Não-Proliferação. Ele diz que os países-membros devem receber fornecimento de combustível nuclear para fins pacíficos por aqueles membros que têm esse combustível – afirmou.

O Ocidente acredita que essa medida minimizará os riscos de o Irã refinar urânio numa taxa que pode ser usada numa bomba nuclear.