Invisible Children lança novo vídeo sobre crimes humanitários na África Central

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 5 de abril de 2012 as 16:05, por: cdb

Invisible Children lança novo vídeo sobre crimes humanitários na África Central

Documentário responde a críticas sobre vídeo contra Joseph Kony, líder de um grupo armado, e procura explicar melhor a situação

Por: Estevan Elli Muniz, da Rede Brasil Atual

Publicado em 05/04/2012, 19:00

Última atualização às 19:04

Tweet

São Paulo – A ONG internacionalInvisible Children, com sede nos Estados Unidos, divulgou um novovídeo da campanha “Kony 2012”. O primeiro documentárioda campanha, que circulou na internet no início do mês de março, foi visto por mais de 150 milhões de pessoas em todo o mundo – e foirepudiado pelo governo ugandense, tendo recebido diversas críticas.Funcionários da organização chegaram a ser fisicamente atacadospor uma comunidade após assistirem a uma sessão organizada poreles. “Kony 2012” é uma campanha que procura divulgar o nome dougandense Joseph Kony, líder do Lord’s Resistance Army (LRA),exército responsável pelo sequestro de 20 mil crianças na ÁfricaCentral e na África Oriental. Kony é procurado pelo Tribunal PenalInternacional por crimes contra humanidade. O objetivo da campanha émobilizar as autoridades internacionais e estimular a ação dossoldados estadunidenses enviados para capturar Kony.

Leia também:
Vídeo na internet denuncia crimes humanitários na África Central
A Uganda além de Kony: golpes de Estado, influência dos Estados Unidos e desinteresse do Brasil
Procurador-chefe do TPI apoia grupo que produziu “Kony 2012”

O segundo documentário divulgado pela Invisible Children procura explicar melhor a situação atual do LRA, apontando os países nos quais ele atua e sua expulsão do território ugandense. O governo daquele país, por enquanto, não se posicionou. Agora, a Invisible Children explicita também como foi criada a campanha Kony 2012 e seus motivos, reitera o convite a todas as pessoas a aderiram ao movimento “Cover the Night” em 20 de abril, quando se realizaria uma série de ações de divulgação do nome de Kony e exigências aos governos do mundo todo.

O LRA eraoriginalmente uma guerrilha que buscava assumir o poder de Uganda,país localizado entre a África Central e a África OrientalOriental. No norte da Uganda, ele promoveu assassinatos, mutilaçõese sequestrou crianças para que elas fizessem parte da corporação. Kony foiquem o criou e quem o lidera até hoje. No entanto, desde 2006, o LRAfoi expulso de Uganda pelas forças militares oficiais do país,agindo, atualmente, como quadrilha sem propósitos políticos claros,no Sudão do Sul, na República Centro-Africana e na República Democráticado Congo. Especialistas e jornalistas avaliaram que o primeiro vídeode Kony não havia deixado isso claro, dando a entender que Ugandavivia uma crise humanitária até hoje.

Desde suaindependência da Inglaterra, em 1965, o país viveu uma sequencia degolpes de Estado e guerras civis, mas, nesse momento, encontra-se empaz, crescendo economicamente e tendo se tornado um alvo do turismointernacional. O primeiro-ministro ugandense divulgou há trêssemanas um vídeo, por parte do governo, repudiando a campanha Kony2012, pois o primeiro documentário teria realizado má publicidadepara o país.