Instagram abre plataforma para anunciantes no mundo

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 9 de setembro de 2015 as 12:33, por: cdb

Por Redação, com Reuters – de São Francisco, São Paulo:

O Instagram abriu sua plataforma para anunciantes ao redor do mundo nesta quarta-feira, conforme a rede de compartilhamento de fotos busca novas fontes de receitas e concorrer com rivais populares como o Snapchat.

Os anúncios, antes disponíveis apenas em oito países, vão estrear em mais de 20 outros incluindo Itália, Espanha e Índia, disse o Instagram. Mais de 200 países terão anúncios até o dia 30 de setembro.

O Instagram abriu sua plataforma para anunciantes ao redor do mundo
O Instagram abriu sua plataforma para anunciantes ao redor do mundo

Com 300 milhões de usuários ativos mensalmente, o Instagram tem uma vantagem sobre rivais, uma vez que o vasto banco de dados de usuários do Facebook, que controla a empresa, permite que o aplicativo direcione anúncios com mais precisão, um ponto importante para anunciantes.

– Teria levado anos para que nós desenvolvêssemos parte dessa tecnologia sem o Facebook. Podemos tirar vantagem de anos de experiência – disse o chefe global de desenvolvimento de marca e negócios do Instagram, James Quarles, em entrevista na semana passada.

No entanto, usuários que se acostumaram com páginas de fotos no Instagram na maior parte sem publicidade podem se rebelar. Nos últimos dois anos, o Instagram só permitiu anúncios de certas marcas, como Victoria’s Secret e Old Navy.

Até a quarta-feira, anúncios no Instagram só estavam disponíveis nos Estados Unidos, Canadá, Reino Unido, Japão, Austrália, Alemanha, França e Brasil.

 

Vendas de smartphones

As vendas de smartphones caíram 13 %  no Brasil no segundo trimestre ante o mesmo período do ano passado, para 11,3 milhões de aparelhos, informou na terça-feira a consultoria IDC Brasil.

– Os problemas na economia, a inflação acima de 9 %, a taxa de desemprego crescente e o índice de confiança do consumidor, que está em um patamar pior do que durante a crise de 2009, são os fatores responsáveis pelo mau desempenho – disse Leonardo Munin, analista de pesquisas da IDC Brasil, em comunicado.

Apesar da forte baixa dos volumes, houve queda de apenas 7 %  nas receitas. “Isso mostra que o consumidor brasileiro não está mais tão sensível aos preços e compra produtos mais caros também”, declarou o analista.

De acordo com a IDC Brasil, o estoque em toda a cadeia de produção, seja de insumos ou de aparelhos prontos, “nunca foi tão grande como no segundo trimestre deste ano”. Segundo Munin, a alta do dólar obrigou o mercado a adiantar as compras para fugir do repasse de preços.

– Agora, para o mercado girar, fabricantes, canal e varejo tiveram que usar estratégias agressivas de preço para comercializar os produtos – declarou Munin.

A expectativa da consultoria é que o cenário para o restante do ano permaneça o mesmo. A previsão da IDC Brasil é que 50 milhões de smartphones sejam vendidos até o fim de 2015, queda de 8 %  frente a 2014.