Inglaterra e Irlanda do Norte firmam posição comum sobre IRA

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 15 de abril de 2003 as 10:02, por: cdb

Os Governos da Irlanda e do Reino Unido informaram nesta terça-feira aos partidos norte-irlandeses de sua posição “comum” sobre o comunicado confidencial “de esclarecimento” emitido pelo Exército Republicano Irlandês (IRA), e agora esperam sua resposta.

O primeiro-ministro irlandês, Bertie Ahern, explicou que “depois de várias conversas telefônicas” com seu homólogo britânico, Tony Blair, ambos os líderes chegaram a “redigir uma posição comum” que fizeram chegar aos partidos da Irlanda do Norte.

“Esta mesma amanhã enviamos às partes implicadas nossa opinião (sobre a nota do IRA), e confiamos em que nos respondam durante o dia de hoje”, disse Ahern.

Os líderes do IRA fizeram chegar na noite desta segunda-feira um comunicado confidencial “de esclarecimento” aos Governos de Londres e Dublin, no qual determinam suas intenções de desarmamento e, em última instância, a possibilidade de declarar o fim da guerra na Irlanda do Norte.

Depois de estudar a nota da organização republicana, o chefe do Executivo de Dublin assegurou que os temas que mantêm divididos aos líderes políticos do Ulster “se reduziram” e lhes instou a responder com “clareza”.

O comunicado do IRA respondia a um pedido de explicações por parte dos Governos irlandês e britânico, que na quinta-feira passada adiaram a apresentação de um “plano de ação” com a finalidade de reavivar o processo de paz na província devido à discrepâncias entre os partidos norte-irlandeses.

O plano pretende que todas os partidos cheguem a um acordo que permita restaurar as instituições autônomas, suspensas no dia 14 de outubro por Londres, por causa de um suposto caso de espionagem do Exército Republicano Irlandês em escritórios governamentais.

Ahern e Blair decidiram adiar a publicação do plano por causa da ambigüidade da organização armada sobre seu futuro e o receio dos unionistas sobre o compromisso do IRA com o processo de paz.

Um porta-voz do escritório de Ahern afirmou ainda nesta terça-feira que as partes implicadas estão “cada vez mais próximas” de chegar a um acordo e considerou possível que os primeiros-ministros viajem no final desta semana a Belfast para apresentar o esperado plano de ação.