Inflação dos alimentos volta à agenda com alta dos preços

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 5 de abril de 2012 as 08:14, por: cdb

Inflação dos alimentos volta à agenda com alta dos preços

Por Svetlana Kovalyova

MILÃO, 5 Abr (Reuters) – Os preços globais dos alimentos subiram em março pelo terceiro mês consecutivo, levados pelos ganhos nos grãos e óleos vegetais, disse a Organização para Agricultura e Alimentação das Nações Unidas (FAO) nesta quinta-feira, colocando a inflação dos alimentos de volta à agenda econômica.

Os preços dos alimentos bateram máximas recordes em fevereiro de 2011 e estimularam protestos relacionados à Primavera Árabe, com distúrbios civis em países do Norte da África e do Oriente Médio. Os preços, então, recuaram, mas começaram a subir novamente em janeiro.

O índice, que mede a mudança mensal dos preços de cereais, oleaginosas, laticínios, carne e açúcar, ficou em média em 215,9 pontos em março, ante dado revisado de 215,4 em fevereiro, segundo dados da FAO.

O Índice de Preço de Cereais ficou em 227 pontos em março, acima do valor registrado em fevereiro, com os preços do milho mostrando ganhos, com suporte dos baixos estoques e a firmeza do mercado da soja, disse a FAO.

“Você pode ver os preços no curto prazo subindo ainda mais”, disse à Reuters o economista sênior da FAO e analista de grãos Abdolreza Abbassian, antes da atualização do índice.

A FAO também confirmou sua previsão de queda de 1,4 por cento na produção global de trigo ante a safra recorde do ano passado, para 690 milhões de toneladas em 2012.

Os altos preços do petróleo geraram preocupações inflacionárias desde o início deste ano. Preços ao consumidor em 17 países que usam o euro subiram 2,6 por cento em março ante o mesmo período do ano passado, apesar da fragilidade econômica da região.

“O índice de preço dos alimentos tem uma extrema correlação com os preços do petróleo, e com os preços do petróleo em alta vai ser difícil que os preços dos alimentos não acompanhem a tendência”, disse Nick Higgins, analista de commodities do Rabobank International.

Os preços de energia afetam a produção de fertilizantes, bem como os custos relacionados à distribuição de alimentos e o uso de máquinas agrícolas.

“Nós realmente vimos a queda (do índice de alimentos) no quarto trimestre de 2011 como sendo anormal e mais relacionada às liquidações pelas ameaças colocadas pela situação macroeconômica europeia, ao invés de fundamentos agrícolas”, disse ele.

O milho e a soja devem ser os maiores condutores dos mercados globais de grãos até que as novas safras sejam colhidas. Fortes oscilações de preços são esperadas devido às mudanças climáticas nos principais países produtores, disse Abbassian.

(Reportagem adicional de Veronica Brown em Londres)

Reuters