Indústria francesa lança primeiro carro movido a ar comprimido

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 15 de outubro de 2001 as 11:51, por: cdb

O presidente da empresa (e criador do carro movido com ar
comprimido) Guy Nègre, estará presente ao lançamento e explica:

“Contamos com licenças exclusivas para a instalação de
fábricas em todo o território nacional, e também para
numerosas concessões dos serviços técnicos, peças e a
venda de energia. Tudo isso representa a criação de 3.500
novos empregos diretos em fábrica, sendo uma indústria
rentável e de acordo com as novas tendências meioambientais.”

A MDI está desenvolvendo o motor do carro há mais de dez
anos e protegeu o sistema com aproximadamente 30 patentes
em mais de 130 países diferentes. A partir do dia 26 a MDI
estará procurando sócios no Brasil para o licenciamento do
sistema de fabricação dos carros em todo o território brasileiro.

No país o representante oficial da MDI é Emmanuel Guerreiro
Ochsenreiter, que também estará presente ao evento de lançamento.

COMO FUNCIONA

Se o motor criado por Guy Négre passar no teste de mercado —
isto é, se as pessoas comprarem um carro que não usa gasolina —
pode ser que a história considere essa uma das primeiras grandes
invenções do novo século (embora o invento seja realmente do
final do século passado).

Mas se você espera uma Ferrari, vai se desapontar, porque Guy
Nègre desenvolveu um motor com a capacidade de acelerar somente
até 130 km/h, com uma autonomia de 300km com uma recarga
dos cilindros. Mas se você precisa de um carro como utilitário,
um transporte urbano econômico, então vai gostar das opções.

A aparência do carro também não é o de uma Ferrari, mas lembra os
novos carros econômicos que estão sendo lançados pelas empresas
automobilísticas atuais. É adequado ao século 21, com uma aparência
urbana e simples.

O custo é daqueles que deve estar deixando as companhias de
petróleo preocupadas: entre R$3,00 e R$ 4,00 por 200/300km
corridos, ou aproximadamente entre 1 e 2 centavos por quilômetro.
Além disso há uma vantagem sem precedentes sobre os motores
à combustão, usados pela maioria dos veículos do planeta: não
somente não poluem, como também purificam o ar.

O carro movido a ar comprimido apresenta uma série de vantagens
sobre os carros elétricos, mas ainda perde em conforto e sofisticação
(para não falar em velocidade) para os carros movidos a combustão.
Entretanto é importante lembrar que ainda é apenas o início.

Se a tecnologia continuar sendo aperfeiçoada, toda a indústria
automobilística poderá enfrentar uma crise sem precedentes nas
próximas duas décadas, ou antes. Pelo menos a atual indústria
automobilística, já que uma outra indústria poderá substituí-la na
construção e venda de automóveis urbanos leves (caminhões
certamente ainda continuarão a usar os motores convencionais
por muito tempo).

DETALHES TÉCNICOS

O carro deve a sua autonomia a quatro tanques que armazenam
90 metros cúbicos de ar comprimido a 300 bars. A expansão
deste ar, introduzido em um recinto fechado (o cilindro), impulsiona
o pistão que gera o movimento. Como não existe combustão,
não há poluição. O ar que sai do escape é ar limpo a -15° C .
A troca de óleo, segundo a empresa, ocorre somente a cada
50.000km rodados.

“Neste momento temos quatro modelos disponíveis: um carro
familiar, um modelo táxi, um furgão e e uma pick up.”, explica
o responsável pela representação no Brasil, Emmanuel
Guerreiro Ochsenreiter.

Quanto custará esse carro que utiliza uma tecnologia quase
alienígena, típica de filmes de ficção científica?: aproximadamente
de R$ 18.000,00, no Brasil.

Mais informações no site da empresa: www.motormdi.com ou
com a representação Oficial para Espanha e América Latina:
Travessera de Gràcia, 15, 08023, Barcelona, Espanha.
Fone: +34 93 362-3700.

*Aldo Novak (aldonovak@relatorioalfa.com.br) é editor do
www.relatorioalfa.com.br