Indústria está mais confiante e índice da FGV é o melhor do ano

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 30 de setembro de 2009 as 13:50, por: cdb

O Índice de Confiança da Indústria (ICI), medido pelo Instituto Brasileiro de Economia (Ibre) da Fundação Getulio Vargas (FGV), atingiu a melhor pontuação dos últimos 12 meses, com aumento de 3,6% de agosto e setembro de 2009, passando de 105,7 para 109,5 pontos. Essa é a nona elevação, mas o índice ainda é inferior ao de setembro de 2008 (115 pontos), quando a crise financeira internacional se agravou.

O levantamento indica ainda uma melhora tanto da expectativa em relação ao futuro da economia quanto sobre o momento atual. O Índice da Situação Atual (ISA) subiu 2% e ficou em 109,5 pontos. O Índice de Expectativas (UE) passou de 104 para 109,4 pontos, uma alta de 5,2%. Segundo a FGV, aumentou de 4,6% para 5% da parcela de empresas que declararam ter estoques insuficientes, enquanto diminuiu de 6,5% para 4,5% o percentual das que afirmaram ter estoques excessivos.

Das 1.125 empresas entrevistadas neste levantamento, a maioria (52,1%) acredita em aumento de vendas nos próximos seis meses e apenas 9,3% preveem uma piora dos negócios no período de setembro deste ano a fevereiro de 2010. Em agosto, 46,2% estavam otimistas e 17,2%, pessimistas.

Previsão otimista

A Confederação Nacional da Indústria (CNI) revisou a estimativa de crescimento econômico em 2009. Segundo o Informe Conjuntural da Economia, divulgado nesta quarta-feira, a nova projeção é de crescimento zero do Produto Interno Bruto (PIB), soma de bens e riquezas produzidos no país. A previsão anterior, divulgada em junho, mais pessimista, era de -0,4%.

O estudo da CNI mostra que a economia brasileira está em processo de recuperação. De acordo com o documento, a projeção da taxa de desemprego diminuiu de 9% para 8,1%. A previsão para o PIB industrial em 2009 passou de -3,5% para -4%. A CNI também alterou a projeção do consumo das famílias, de 0,7% para 2,4%. Já para a formação bruta de capital fixo (investimentos), a estimativa passou de -9% para -12,8%.