Indonésia absolve militar acusado de violar direitos humanos

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 22 de maio de 2003 as 09:00, por: cdb

Um tribunal da Indonésia absolveu nesta quinta-feira o brigadeiro Tono Suratman, acusado de envolvimento em violações dos direitos humanos cometidas em Timor Leste durante a onda de massacres, vandalismo e saques que se seguiu ao referendo promovido pelas Nações Unidas em 1999, quando a população aprovou por esmagadora maioria a independência nacional.

Acusado de não conseguir evitar as atrocidades, Suratman é o décimo segundo réu absolvido pela Justiça indonésia. Tal decisão deve intensificar as críticas ao tribunal, que já foi chamado de uma encenação por organizações internacionais de defesa dos direitos humanos.

– A promotoria não provou que o réu cometeu violações dos direitos humanos em Timor Leste – afirmou o juiz Andi Samsan Nganro, que presidiu um júri de cinco magistrados. “Portanto o réu tem que ser absolvido”.

Suratman foi acusado de não evitar a morte de cinco refugiados durante um ataque a uma igreja, em abril de 1999, e o assassinato de dezenas de pessoas, duas semanas depois, quando uma milícia pró-Jacarta invadiu a casa de um dos líderes da luta pela independência Manuel Carrascalao, em Dili.

Suratman negou as acusações e a promotoria declarou que apelará do veredicto.