Indígenas e ministros iniciam diálogo sobre alternativa à Villa Tunari

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sexta-feira, 26 de agosto de 2011 as 15:28, por: cdb

Hoje (26), cerca de 600 indígenas que saíram em marcha desde o dia 15 de agosto da cidade de Trinidad, com destino a La Paz chegaram à localidade do Porto de San Borja (Beni), Bolívia, onde aceitaram dialogar com o governo. Essa foi a forma que os indígenas encontraram de se manifestar em defesa do Parque Nacional Isiboro Sécure (Tipnis), departamento boliviano de Beni, que prevê a construção da segunda etapa da estrada Villa Tunari (Cochabamba) – San Ignacio de Moxos (Beni).

Dez ministros participam das discussões a pedido do presidente boliviano, Evo Morales, com a Confederação dos Povos Indígenas do Oriente da Bolívia (Cidob) e com representantes da Assembleia do Povo Guarani.

Questões como educação, saúde, comunicação e exploração de hidrocarbonetos estão entre as principais demandas que serão debatidas até o próximo domingo. Caso as demandas dos indígenas não sejam encaminhadas, eles ameaçam dar continuidade à marcha.

Os índios marcham contra a segunda etapa de modificação da estrada Villa Tunari (Cochabamba) – San Ignacio de Moxos (Beni), e exigem a elaboração de um projeto alternativo. Eles denunciam que o atual projeto, que atravessará o território onde vivem 64 comunidades indígenas, causará vários impactos sócio-ambientais.

Para os indígenas, a construção trará estragos à biodiversidade do lugar. Já o governo afirma que a construção da estrada trará desenvolvimento para a região amazônica e contribuirá para a integração.

A área Tipnis, possui quase um milhão de hectares e se tornou área de proteção desde 1965. Este local compreende cerca de 40% do patrimônio biológico boliviano e guarda extensas florestas naturais que desempenham um papel importante como sumidouro de carbono, contribuindo para o controle de efeito estufa.