Incêndio mata 4, fere 150 e destrói 400 casas na Austrália

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado domingo, 19 de janeiro de 2003 as 12:18, por: cdb

Quatro pessoas morreram e 150 ficaram feridas nos incêndios que destruíram mais de 400 casas nos arredores de Canberra neste final de semana, disseram hoje os serviços de emergência da capital australiana.

Milhares de pessoas tiveram de abandonar suas casas, ameaçadas pelas chamas que se propagam em três frentes, dos bosques vizinhos até os bairros próximos a Canberra, provocando a maior catástrofe da história da cidade, segundo autoridades locais.

As altas temperaturas e os fortes ventos somados à persistente seca favorecem esses incêndios, um dos piores registrados nas últimas décadas na Austrália.

Um homem de 61 anos e duas mulheres, de 83 e 30 anos, morreram. Outras 150 pessoas estão sendo atendidas por queimaduras, intoxicação pela fumaça e outros ferimentos no hospital de Canberra. Três feridos com queimaduras graves foram transferidos para hospitais de Sydney.

Importantes estradas tiveram de ser fechadas ao tráfego, assim como a eletricidade teve de ser interrompida, enquanto que uma espessa fumaça negra cobre toda a cidade.

Nas áreas mais afetadas, os bairros de Weston Creek e Woden, os moradores declararam que estão sendo obrigados a lutar contra o fogo de maneira rudimentar, pois os aviões de combate a incêndios não conseguem decolar.

A rádio Australian Broadcasting Corporation (ABC) disse que 388 moradias foram destruídas pelo fogo que se propaga pela periferia norte, oeste e sul de Canberra.

O primeiro-ministro australiano, John Howard, interrompeu suas férias para viajar de Sydney a Canberra e visitar o centro de controle de incêndios e falar com alguns dos habitantes atingidos.

“Já vi muitos incêndios florestais, mas jamais algo dessa magnitude. É um milagre que não tenha ocorrido um número maior de mortos. Temos de prestar uma grande homenagem aos serviços de emergência”, declarou Howard.

O premiê se dirigiu profundamente emocionado aos habitantes que se refugiaram em centros de assistência e prometeu desbloquear fundos federais para ajudar rapidamente a quem perdeu tudo.

Escritórios, comércios, escolas continuam ardendo em chamas. As ruas apresentam um trágico cenário de desolação, com veículos fumegando e vidros calcinados.

Centenas de bombeiros das Províncias vizinhas foram mobilizados. A situação está melhorando hoje devido à temperatura que começa a refrescar e a uma certa calma nos ventos.