IBGE constata que Brasil tem 1,4 milhão de empresas

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 17 de maio de 2007 as 11:53, por: cdb

Pesquisa Anual de Comércio do IBGE, relativa a 2005 e divulgada na manhã desta quinta-feira, constatou a existência de 1,438 milhão de empresas comerciais (atacado e varejo) em todo o Brasil, com R$ 940,2 bilhões de receita líquida onde trabalhavam 7,074 milhões de pessoas.

Segundo o IBGE, as empresas com menos de 20 pessoas representavam 97,8% do total de empresas comerciais.

As atacadistas tinham a maior receita (R$ 418,9 bilhões), mas o varejo reunia 84,2% das empresas e ocupava 75,2% dos trabalhadores do comércio.

No atacado, a venda de combustíveis e lubrificantes foi responsável pela maior parte (34,2%) da receita líquida.

Já no varejo, os hiper e supermercados reuniam apenas 0,9% das empresas, mas eram responsáveis por 24% da receita líquida deste setor.

As empresas varejistas desse segmento apresentaram a maior receita por estabelecimento e pagaram R$ 5,7 bilhões em salários, retiradas e outras remunerações, participando com 16,9% do total de R$ 33,9 bilhões para o comércio varejista.

Varejo

O varejo reduziu sua participação no total do comércio de 2000 a 2005, enquanto o atacado elevou sua fatia, segundo mostra a pesquisa.

O varejo, que detinha em 2000 o equivalente a 58,5% do valor adicionado (riqueza gerada pelo setor) das empresas comerciais, passou a deter 52,1% em 2005.

O atacado elevou a fatia de 29,9% para 35,5% no período. O comércio de veículos, peças e motocicletas elevou a participação de 11,5% para 12,4%.

Em 2000, a participação do comércio varejista no total da mão-de-obra das empresas comerciais caiu de 77,2% para 75,2% entre 2000 e 2005, enquanto o atacado elevou a sua de 14,2% para 15,0%.

O comércio de veículos, peças e motocicletas aumentou a sua participação no total de ocupados de 8,6% para 9,8%.

Veículos

A pesquisa também mostrou que a venda de veículos automotores agrupava 19,9% do número de empresas do comércio de veículos, motos e peças e gerou uma receita líquida de revenda de R$ 87,0 bilhões (70,5% do total desse segmento) em 2005.

Em seguida, a atividade de peças para veículos representou 23,5% do total da receita líquida de revenda e 72,1% do número de empresas.

Apenas 8,6% do total das empresas comerciais do Brasil comercializavam veículos, peças e motocicletas em 2005.

O comércio de veículos e peças ocupava, em média, seis pessoas por empresa e pagava, em média, 2,3 salários mínimos.

O comércio de veículos automotores empregava, em média oito pessoas por empresa, com média salarial de 3,3 salários mínimos, valores acima do total da atividade.