Ibama multa 600 madeireiros no Pará

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sexta-feira, 31 de agosto de 2001 as 20:11, por: cdb

Somente no mês de agosto fiscais do Ibama e agentes da Polícia Federal apreenderam mais de 30 mil metros cúbicos de madeira e multaram mais de 600 madeireiros nas regiões sul e sudoeste do Pará em um total de mais de R$ 40 milhões em multas aplicadas, além do fato que cerca de 200 madeireiros são reincidentes na extração ilegal de mogno e vão responder a processo na justiça Federal por crime contra o meio ambiente. Além da retirada criminosa de mogno de reservas indígenas e assentamentos do Incra, eles também foram autuados por provocar incêndios em áreas de preservação ambiental.

Durante operação realizada hoje em Castelo dos Sonhos, na fronteira do Pará com Mato Grosso, foram apreendidos 7.300 metros cúbicos de mogno e 13 carretas com madeira, além de 12 motosserras. A Madeireira Castelo, pertencente a Valdir Mendes e Elísio Augusto Machado, foi multada em R$ 4,6 milhões. Alguns homens flagrados na mata cortando árvores fugiram ao perceber a chegada dos fiscais.

Valdir Mendes confessou aos policiais federais que havia “esquentado” autorizações de manejo florestal vencidas do Ibama para poder retirar o mogno do local onde as toras foram apreendidas. Em um sobrevôo de helicóptero na região de Castelo dos Sonhos, os fiscais localizaram vários focos de incêndio na floresta e também descobriram picadas abertas na mata para facilitar a entrada dos caminhões contratados para fazer o contrabando de madeira.

No ano passado, o Ibama aplicou R$ 232 milhões em multas por crimes contra o meio ambiente nos estados abrangidos pelo programa Amazônia Fique Legal. Uma área de 2,1 milhões de hectares, equivalente ao tamanho do Estado de Sergipe, foi desmatada e queimada.