Humberto Gomes de Barros é homenageado com foto na galeria de ex-presidentes do STJ

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 1 de junho de 2011 as 19:25, por: cdb

O retrato do ministro aposentado do Superior Tribunal de Justiça (STJ) Humberto Gomes de Barros agora figura na galeria de fotos dos ex-presidentes do Tribunal. A homenagem aconteceu na noite desta quarta-feira (1º), no Salão Nobre do STJ, três anos após a aposentadoria do ministro, que atuou por 17 anos no STJ, onde ingressou em vaga destinada a integrante da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB).

O presidente do STJ, ministro Ari Pargendler, destacou a formação humanista e os talentos de Gomes de Barros, “entre os quais se destaca o de literato reconhecido, autor de vários livros e, nessa condição, membro da Academia Alagoana de Letras e da Academia Brasiliense de Letras”. Pargendler recordou o seu discurso à época da posse do ministro Gomes de Barros na presidência do Tribunal, quando assinalou que o ministro daria uma enorme contribuição ao STJ.

O presidente fez questão de destacar que a passagem do ministro Gomes de Barros na direção do Tribunal “ficou marcada pela personalidade e pelos projetos que teve oportunidade de implantar”. “O que fez – e mais faria se tivesse o tempo apropriado -, foi suficiente para situá-lo entre os mais ilustres presidentes do Superior Tribunal de Justiça”, afirmou.

O ministro aposentado agradeceu a homenagem pela sua passagem no STJ, que considerou um “desvio” na sua carreira de advogado. “A minha pretensão sempre foi ser advogado, e a Ordem dos Advogados me ‘desviou’, transformando-me em juiz. Um ‘desvio’ que durou 17 anos. E digo que foram 17 anos extremamente felizes, que me realizaram muito. E esse momento agora lembra o termo final desse desvio de jornada, desse ‘desvio’ feliz”.

Gomes de Barros ressaltou tratar-se de um “momento sublime” em sua vida, e agradeceu a colaboração dos magistrados e servidores que se dedicaram para que o STJ pudesse enfrentar os desafios impostos pela Lei de Recursos Repetitivos. O ministro encerrou a sua fala formulando votos de que o STJ continue digno da sua história, continue o grande tribunal da nacionalidade e da cidadania.

Opinião dos ministros

Os ministros do STJ compareceram em peso à solenidade para prestigiar o ex-presidente da Corte. Na visão do decano, ministro Cesar Asfor Rocha, a homenagem foi mais do que merecida. “O ministro Humberto é um dos grandes magistrados que tivemos aqui no STJ, um extraordinário presidente”, afirmou. Cesar Rocha lembrou, ainda, que sob a presidência de Gomes de Barros foi implantado o sistema da Lei dos Recursos Repetitivos, afirmando que, “tanto como julgador quanto como administrador”, Gomes de Barros “deixou seu nome marcado na história do Judiciário brasileiro”.

A ministra Laurita Vaz destacou que é necessário homenagear ministros como Gomes de Barros, que dedicou mais de uma década a serviço da Corte. “A homenagem é apropriada, e devemos sempre fazê-la, no tempo mais rápido possível, para que possamos lembrar aqueles colegas que honraram e prestaram relevantes trabalhos ao Superior Tribunal de Justiça”.

Já o ministro João Otávio de Noronha destacou a grande trajetória de Gomes de Barros como advogado, procurador e ministro, lembrando que o ministro “escreveu sua trajetória pela competência, companheirismo e grande senso de humanidade”.

Na opinião do desembargador convocado Adilson Vieira Macabu, Gomes de Barros ofereceu uma grande contribuição para o STJ e para o Poder Judiciário em sua passagem pela presidência da Corte, trazendo “alternativas de modernização para julgar o número excessivo de processos” que chegam ao Tribunal.

O retrato de Gomes de Barros foi descerrado pelo ministro Ari Pargendler e pela esposa do homenageado, Ivete Gomes de Barros. Além da grande presença dos ministros do STJ, a cerimônia contou com a participação de ministros do Supremo Tribunal Federal, do Superior Tribunal Militar, além de magistrados, parlamentares, membros do Ministério Público, advogados, amigos e familiares do ministro aposentado.

No STJ, o ministro Gomes de Barros participou de julgamentos na Primeira Turma e na Primeira Seção, órgãos que integrou por 12 anos e que chegou a presidir. Em 2003, o ministro passou a compor a Terceira Turma e a Segunda Seção. Ele também integrou a Corte Especial, mais alto colegiado de julgamentos do STJ. Foi ainda coordenador-geral da Justiça Federal, membro do Tribunal Superior Eleitoral, diretor da Revista do STJ, vice-diretor da Escola Nacional de Formação e Aperfeiçoamento de Magistrados e vice-presidente do Tribunal. Em 2008, encerrou sua carreira no STJ, ocupando os cargos de presidente do Tribunal e do Conselho da Justiça Federal.

Foto – Sob o olhar do presidente do STJ, ministro Ari Pargendler, ministro aposentado Gomes de Barros agradece homenagem