Howard celebra 4a vitória eleitoral consecutiva na Austrália

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado domingo, 10 de outubro de 2004 as 14:26, por: cdb

O primeiro-ministro conservador da Austrália, John Howard, celebra neste domingo sua vitória, obtida com apoio da forte economia, em uma eleição que provavelmente aumentará sua maioria no Congresso.

A coalizão Liberal/Nacional de Howard parece estar a caminho de controlar as duas Casas do Parlamento depois da votação de sábado, que deu ao primeiro-ministro um mandato forte para tentar implementar sua agenda conservadora. Ele se tornará em dezembro o segundo primeiro-ministro da Austrália com maior tempo de mandato.

A vitória de Howard garantiu a permanência das tropas australianas no Iraque. O líder trabalhista Mark Latham queria a retirada dos 850 soldados antes do Natal.

A eleição atraiu atenção internacional porque os dois aliados da Austrália no Iraque também terão votação: em 2 de novembro nos EUA e no próximo ano na Grã-Bretanha.

Os líderes destes países parabenizaram Howard por sua quarta vitória eleitoral consecutiva.

– A Austrália é um grande aliado na guerra ao terror, e John Howard é o homem certo para liderar o país –  disse o presidente dos EUA, George W. Bush, durante comício nos EUA.

A coalizão de Howard conseguiu 82 das 150 cadeiras do Parlamento depois da eleição de 2001, mas previsões da mídia apontam que o governo terá agora 87 postos no novo Parlamento e que os trabalhistas devem perder quatro, caindo para 60.

Analistas disseram que o mercado financeiro vai respirar aliviado na segunda-feira e que não são esperados impactos imediatos nos preços das ações ou do dólar australiano.

– O maior medo dos mercados era de que houvesse um entrave no Parlamento. Certamente não é um resultado indeciso, é um resultado muito claro – disse Stephen Roberts, diretor de pesquisa da Grange Securities.

A maior surpresa foi o avanço do governo no Senado. Pela primeira vez em duas décadas, o governo deve controlar ambas as Casas.

O Senado já bloqueou leis importantes, como o plano de privatização da principal companhia telefônica da Austrália, a Telstra Corp. Ltd.

– É claro que as chances de a Telstra ser totalmente privatizada aumentaram muito para o governo. O governo quer dinheiro para financiar atividades e portanto acho que veremos mudanças rápidas neste tema – disse à Reuters o analista de telecomunicações independente Paul Budde.

O economista-chefe do Westpac Banking Corp, Bill Evans, disse à televisão australiana que a provável vitória do governo no Senado provocará mais desregulamentações no mercado de trabalho.

– E isso será positivo, principalmente na perspectiva de manutenção de taxas de juros baixas e de manter a inflação reduzida no momento em que a economia está muito forte –  disse.

O governo também poderá pressionar o Senado a acabar com a proibição de grupos de mídia controlarem mais de um jornal, rádio ou rede de TV na mesma cidade, e com as restrições de participação estrangeira na mídia.

Com quase 78 por cento dos 13 milhões de votos contados no início do domingo, a Comissão Eleitoral Australiana dava 52,5 % para a coalizão do governo e 47,5 % para os trabalhistas.