Homem que triplicava cocaína para o PCC é preso em SP

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 29 de abril de 2003 as 17:50, por: cdb

O Departamento Estadual de Investigações Criminais (Deic) apresentou nesta terça-feira Waldemar Eleutério Júnior, de 54 anos, conhecido com “Doutor”. Ele foi preso de maneira sigilosa em Salto, interior de São Paulo, no último dia 23, enquanto saía de casa, por policias da Delegacia de Roubo a Bancos do Deic, que há seis meses investigavam o caso.

Segundo o diretor do Deic, Godofredo Bittencourt, Eleutério seria um dos principais produtores de cocaína do PCC (Primeiro Comando da Capital).

Junto com o “Doutor” teriam sido encontrados 100 gramas de cocaína, que seriam uma amostra que ele estaria levando para um cliente. Segundo o Deic, o “Doutor” era uma espécie de alquimista. Ele triplicaria a quantidade de cocaína que viria da Bolívia, num processo apelidado de “clonagem”, e repassava para o PCC e para traficantes do Rio de Janeiro. Ele não era um funcionário do PCC. A facção criminosa apenas contrataria seus serviços.

Após a prisão, os policiais acompanharam Eleutério até um sítio em Nova Granada, na região de São José do Rio Preto, onde funcionaria seu laboratório. Lá, teriam sido encontrados 2 quilos de cocaína, substâncias utilizadas na mistura e uma prensa de seis toneladas usada no empacotamento da droga.

A cocaína fornecida pelo “Doutor” teria uma coloração amarelada, o que agradava aos traficantes. O Deic informou que a cor amarelada, para os traficantes, significava que a droga era de melhor qualidade.

Eleutério foi preso em flagrante e está detido na 13ª DP, na Casa Verde, zona norte de São Paulo.