Homem de confiança de Bin Laden e cérebro do atentado em Riad são presos

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sexta-feira, 27 de junho de 2003 as 09:18, por: cdb

O egípcio Ayman Zawahri, braço direito do líder do grupo terrorista Al Qaeda, Osama bin Laden, foi detido no Irã junto a outros membros da rede, informou nesta sexta-feira, o canal de televisão árabe Al Arabiya.

A rede, que entrevista fontes diplomáticas em Teerã, afirmou que entre os detidos se encontra também um dos porta-vozes da rede terrorista, Suliman Abu Ghaith, acusado pelos EUA de colaborar nos atentados de 11 de setembro de 2001 contra Washington e Nova York.

Depois de informar das detenções, o canal árabe, com base em Dubai, afirmou que “o Irã estaria preparando a repatriação destas pessoas a seus países, mas o problema é que alguns deles não possuem nacionalidade, já que foram despossuídos desta por seus países de origem”.

Segundo a fonte, entre os detidos figuram cidadãos sauditas, egípcios, iraquianos, kuwaitianos e jordanianos.

No último dia 23 de junho, as autoridades iranianas comunicaram que haviam identificado vários membros da Al Qaeda detidos no país nos últimos meses e que entraram no Irã depois da guerra do Afeganistão (2001), mas não forneceram outros detalhes.

Zawahri, cuja mulher e três de seus filhos morreram nos bombardeios dos Estados Unidos contra posições da Al Qaeda no Afeganistão, chegou a ser o número dois da organização terrorista depois de forjar, em 1998, uma aliança com Bin Laden, que denominaram “Frente Mundial para lutar contra os Cruzados e os Sionistas”.

Cirurgião de profissão, Zawahri liderou o grupo fundamentalista armado egípcio “Al Jihad”, que em 1981 assassinou o então presidente do Egito, Anwar Sadat.

Atentados em Riad

Autoridades dos Estados Unidos e da Arábia Saudita confirmaram a prisão do homem apontado como responsável por planejar os atentados ocorridos na capital saudita, Riad, no último dia 12 de maio.

Os atentados deixaram um saldo de 34 mortos, incluindo nove suicidas, e 194 feridos.

O suspeito, Ali Abdul Al-Gamdi, teria se entregado voluntariamente às autoridades e estaria sendo mantido sob custódia policial.

Acredita que ele tenha ligações com a rede extremista Al-Qaeda, liderada pelo dissidente saudita Osama Bin Ladem.

Meca

Mais de 30 pessoas já foram presas por supostamente terem ajudado a perpetuar os atentados contra três complexos residenciais habitados por estrangeiros em Riad.

A rádio estatal saudita citou declarações de um representante do Ministério do Interior, que confirmou a prisão e disse que “a Justiça seguirá seu curso, dentro do estabelecido pelas leis”.

A imprensa do país também noticiou a prisão de quatro outros homens, suspeitos de ter relação com grupos extremistas.

Três deles foram capturados na cidade de Meca, centro de peregrinação para os muçulmanos de todo o mundo.

De acordo com a polícia, os suspeitos tinham em seu poder mapas de várias instalações governamentais sauditas.

O quarto preso, por sua vez, é acusado de ter participado de uma troca de tiros também em Meca, durante a qual sete pessoas morreram – entre elas, dois policiais.

Um total de doze pessoas foi preso em decorrência do incidente.