História das favelas no Rio será resgatada por projeto cultural

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 26 de março de 2003 as 19:47, por: cdb

Temendo que a origem e a memória das favelas cariocas se percam, a organização não-governamental Viva Rio está promovendo o seminário “A memória das favelas: iniciativas, conquistas e desafios”.

O encontro é inédito e reúne diversos centros e projetos que estão buscando material necessário para recuperar a história, em parceria com os moradores locais, universidades, fundações e ONGs.

Nesta quarta-feira, os participantes puderam conhecer um pouco do projeto Condutores de Memória – Um Histórico Cultural da Grande Tijuca, desenvolvido por moradores do Morro do Borel.

O Condutor apresenta depoimentos de moradores antigos, gravados em vídeos, que contam como aconteceu a conquista da água encanada, a chegada da luz elétrica, a luta para evitar a remoção dos primeiros barracos, desde a década de 20, as enchentes e as primeiras associações de moradores.

O projeto é uma das muitas iniciativas que estão nascendo no Rio, existem idéias parecidas na Mangueira e na Maré, ambas na zona norte, e nos Prazeres e na Rocinha, na zona sul. Todas serão apresentadas amanhã.

O ponto alto do seminário será na próxima quinta-feira com o lançamento oficial do site Favela Tem Memória (www.favelatemmemoria.com.br), com o objetivo de trazer à tona lembranças que permanecem vivas no imaginário de moradores mais velhos. No site é possível recuperar histórias e imagens a partir de 1893.

O Favela Tem Memória está inserido no Portal Viva Favela(www.vivafavela.com.br) e é desenvolvido pelo Viva Rio. O projeto conta com a parceria do Centro Histórico da Rocinha, Centro de Estudos e Ações Solidárias da Maré, Instituto Moreira Salles e Megacidades – a colaboração dos Condutores de Memória e financiamento do CNPq, FIA (Fundação para a Infância e Adolescência) e Petrobras.