Hipocrisia em alta dose

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 26 de março de 2012 as 08:38, por: cdb

Ainda que a contragosto –  o que até as pedras sabem – o governador Geraldo Alckmin (PSDB) está envolvido até o pescoço na campanha de José Serra a prefeito este ano. Articulou no Palácio dos Bandeirantes, participou das prévias, retirou candidaturas de prefeituráveis (as que lhe foram possíveis, de seus secretários estaduais Andrea Matarazzo e Bruno Covas) e o nosso ex-presidente FHC vem falar da participação do governo federal no apoio ao candidato do PT a prefeito de São Paulo, o ex-ministro da Educação, Fernando Haddad.

O ex-presidente FHC agora vem com a história de que o governo federal pode se quebrar se entrar de cabeça na campanha de Fernando Haddad. A lei, ex-presidente FHC, permite não a participação institucional do governo em campanhas eleitorais, mas de seus integrantes que queiram e decidam participar em atividades de disputa eleitoral fora do expediente.

Ou será que o governador Alckmin e o prefeito paulistano Gilberto Kassab (ex-DEM-PSDB, agora PSD) na ótica de FHC violaram a lei? Eles dedicaram 24 do dia nas últimas semanas à campanha para José Serra vencer a prévia do PSDB – quase perdeu, venceu no limite, 52% dos votos – e à pré-campanha eleitoral tucana na capital.

Serra renunciou em 2006, mas agora “não vai deixar a cidade não mão”, diz FHC

Primor mesmo de declaração de FHC ao participar da prévia foi sua afirmação de que José, caso se eleja prefeito – o que acho difícil – sabe que não poderá deixar o cargo, como fez em 2006: “Não é o caso. Ele não vai deixar a cidade na mão. Todo mundo sabe o que houve em 2006, as circunstâncias que o levaram a deixar o cargo. A população entendeu e aprovou, tanto que votou nele para governador”.

Aí temos, primeiro o reconhecimento de que José deixou “a cidade na mão”. Segundo ex-presidente se contradizendo logo depois ao propor a adoção de prévias para escolha do candidato tucano a presidente em 2014.

Como o PSDB não tem outros postulantes ao Planalto naquele ano que não José Serra e o senador Aécio Neves (MG), o ex-presidente FHC torna-se assim o 1º a reconhecer, quase explicitamente, de público, que José Serra, caso se eleja, só vai esquentar a cadeira de prefeito, usá-la como trampolim e renunciar de novo depois de um ano e quatro meses de mandato.

Leiam, também, o post-destaque do dia, José Serra racha o PSDB e obriga tucanos a aceitá-lo como candidato a prefeito.