Hamas anuncia que Autoridade Nacional Palestina prendeu 14 de seus ativistas

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 9 de maio de 2002 as 17:43, por: cdb

Enquanto Israel definia a retaliação militar que empreenderá na Faixa de Gaza, o grupo radical islâmico Hamas anunciou, nesta quinta-feira, que 14 de seus militantes foram presos pelas forças de segurança da Autoridade Nacional Palestina (ANP). As prisões, ocorridas em Gaza, vieram à tona após o gabinete de segurança de Israel ter se reunido com o primeiro-ministro Ariel Sharon e aprovado uma ofensiva em represália contra o atentado suicida de terça-feira, que deixou 15 mortos e 57 feridos em um salão de bilhar nos arredores de Tel Aviv.

O Hamas assumiu a autoria do ataque, mas Sharon afirmou que toda a responsabilidade recaía sobre o presidente da Autoridade Palestina, Yasser Arafat. Alguns políticos da extrema-direita israelense reforçaram os pedidos para que Sharon obrigue Arafat a um exílio forçado.

Ao anunciar as detenções, dirigentes do Hamas disseram à Rádio Israel que nenhum de seus membros veteranos estavam entre os presos. Fontes da segurança palestina confirmaram que Arafat autorizou as prisões, mas acrescentaram que a polícia estava enfrentando dificuldades para cumprir as ordens, devido ao receio de uma ação militar iminente de Israel em Gaza.

Também nesta quinta-feira, o Exército israelense começou a convocar seus reservistas em caráter de urgência, segundo a rádio militar do país. A convocação atinge principalmente reservistas das unidades de combate e de engenharia.

O ministro do Exterior de Israel, Shimon Peres, assegurou o Exército não pretende ocupar Gaza, mas, sim, “atacar áreas onde haja uma concentração de terroristas suicidas”. Um outro membro do gabinete revelou que a retaliação seria feita com “ataques aéreos e operações terrestres com alvos bem definidos”.

O principal negociador palestino, Saeb Erakat, advertiu que, se realmente levar a retaliação adiante, Israel minará todas as tentativas de reativação do processo de paz. “A decisão do gabinete israelense só serve para jogar gasolina no fogo”, encerrou.