Haiti e EUA discutem futuro de missionários presos

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 4 de fevereiro de 2010 as 09:55, por: cdb

Os governos dos EUA e do Haiti estão discutindo o futuro de dez missionários acusados de tentar retirar ilegalmente crianças do país caribenho depois do terremoto de janeiro, disse na quarta-feira a secretária norte-americana de Estado, Hillary Clinton.

As autoridades haitianas devem decidir na quinta-feira se processa os dez missionários batistas, detidos na sexta-feira passada na fronteira com a República Dominicana, num ônibus com 33 crianças apresentadas por eles como sendo órfãos do terremoto.

Hillary disse que Washington mantém “discussões com o governo haitiano sobre a disposição apropriada do caso deles”.

Num momento em que os EUA lideram a enorme operação humanitária no Haiti, o Departamento de Estado se empenha em não passar uma impressão de interferência no caso, e ainda na terça-feira negava que houvesse discussões com as autoridades haitianas a respeito deles.

Os missionários negam veementemente as acusações de tráfico infantil, e dizem que sua intenção era apenas ajudar as crianças.

– Foi lamentável, qualquer que tenha sido a motivação, que este grupo de norte-americanos tenha assumido as coisas com as próprias mãos – comentou Hillary.

Os missionários do Idaho não tinham documentos autorizando-os a retirar as crianças do país, mas um advogado haitiano a serviço deles afirmou que seus clientes “foram vítimas de um golpe” promovido por um pastor local, que lhes contou que seu orfanato havia sido destruído e que não tinha mais como manter as 33 crianças.

– Os norte-americanos são missionários, eles foram ingênuos. Eles não tinham ideia de que estavam violando a lei. Estavam agindo de boa fé e simplesmente quiseram ajudar – disse o advogado Edwin Coq.

O promotor Mazarre Fortil disse à Reuters que cinco missionários depuseram na terça-feira, os outros cinco falariam na quarta, e que na quinta-feira ele se decidirá por processá-los ou não.
O primeiro-ministro Jean-Max Bellerive lamentou que o caso desvie a atenção do drama dos haitianos.

– Acredito que seja uma distração do povo haitiano, porque eles estão falando mais agora sobre dez pessoas do que sobre cerca de 1 milhão de pessoas sofrendo nas ruas – disse.

Bellerive disse que a estimativa de mortos, que era de 150 e 200 mil pessoas, superou esse número.

Mortos

Mais de 200 mil pessoas morreram no terremoto do dia 12 de janeiro que devastou o Haiti, informou o primeiro-ministro Jean-Max Bellerive nesta quarta-feira.

Bellerive disse que 300 mil pessoas foram feridas no desastre, inclusive 4 mil amputados. Estimativas anteriores do governo haitiano indicavam índice de 150 mil a 200 mil mortos.