Guido Mantega descarta medidas para tranqüilizar bolsas de valores

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 21 de janeiro de 2008 as 17:36, por: cdb

Apesar das fortes baixas nas bolsas de valores de todo o mundo, o governo brasileiro não deve divulgar ações ou pacotes econômicos para tranqüilizar o mercado, afirmou nesta segunda-feira o ministro da Fazenda, Guido Mantega. Ele, no entanto, disse que o início da semana foi marcado por uma sensação de “quase pânico” na economia internacional.

— No Brasil não há necessidade de tomar nenhuma medida, por enquanto. Temos uma solidez econômica e essa solidez tem sido confirmada freqüentemente. Saiu uma matéria na última The Economist [revista inglesa especializada em economia] dizendo que o Brasil está sólido e preparado para passar por uma turbulência internacional —, avaliou Mantega.

Para o ministro, as quedas nos mercados de ações não significam necessariamente uma tendência.

— Um dia não é representativo. Hoje é um dia de quase pânico, eu diria, porque as bolsas caíram muito no mundo todo e isso traz um contágio. Mas isso não quer dizer que amanhã ou depois será assim —, disse.

Caso se confirme a retração do mercado mundial, a conseqüência imediata no Brasil, de acordo com Mantega, poderá ser notada na balança comercial, por causa da queda no valor das exportações. Ainda assim, segundo ele, o país não deve sofrer grandes danos.

— Onde poderia haver alguma repercussão seria justamente na balança comercial. Se houver uma retração internacional, que ainda não está confirmada, poderemos ter uma queda no preço das commodities [produtos agrícolas e minerais] brasileiras e, portanto, uma queda do nosso saldo comercial. Mas que ainda assim continuará bastante positivo —, minimizou.