Guerrilha foi planejada antes da invasão dos EUA

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sábado, 15 de novembro de 2003 as 14:37, por: cdb

Agências de inteligência norte-americanas descobriram fortes evidências de que os amplos planos da campanha de guerrilha empregados contra as forças norte-americanas no Iraque foram preparados antes da guerra pelo Serviço de Inteligência Iraquiano, informaram autoridades do governo na sexta-feira.   

Esta visão é baseada em interrogatórios de alto-funcionários iraquianos, que estão sob custódia dos Estados Unidos, e em documentos encontrados no Iraque, acrescentaram as autoridades. Eles reconheceram que as agências de inteligência subestimaram a força da resistência e o grau – que parece claro agora – de planejamento e organização central.

A conclusão de que a insurreição pode ter sido articulada antes da guerra aponta para outra falha de ação da inteligência pré-guerra, afirmou um importante crítico do esforço de guerra na sexta-feira.

“A maioria dos acontecimentos, como o nível de violência e a dificuldade de obter a cooperação de diversas facções, eram conhecidos e previstos por serviços de inteligência estrangeiros, mas tais informações foram sistematicamente desconsideradas”, explicou o senador Bob Graham – democrata da Flórida – que estava entre aqueles que receberam os relatórios da CIA na quinta-feira e que, até janeiro, era o principal democrata no comitê de inteligência do Senado.

Alguns funcionários do governo preveniram que a idéia de que a insurreição tinha sido planejada por membros do governo de Saddam Hussein antes da invasão dos Estados Unidos permanecia como uma teoria dominante. Em declarações públicas na quinta-feira, o general John P. Abizaid, principal comandante norte-americano nos Oriente Médio, disse que a hipótese de Saddam ter articulado a revolta estava “além da minha imaginação”.

Mas Abizaid não descartou a idéia de que a insurreição pudesse ser planejada por outros.

Outro general norte-americano no Iraque, o major general Charles Swannack Jr., comandante da 82a Divisão Aérea, foi citado no The Washington Post no começo da semana dizendo que a intensidade e sofisticação da revolta – incluindo sinais de que tinha determinado esconderijos de armas e dinheiro antes da guerra – o convenceram de que as operações de guerrilha foram planejadas.

“Eles planejavam sair e lutar, se o Iraque caísse”, declarou Swannack em uma entrevista ao The Post.