GTNM pede fim de Comissão sobre desaparecidos do Araguaia

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 6 de novembro de 2003 as 14:41, por: cdb

Representantes do grupo Tortura Nunca Mais, do Rio de Janeiro, defenderam, nesta quinta-feira, a revogação do decreto que criou, em outubro, uma Comissão Interministerial para descobrir o paradeiro das ossadas dos desaparecidos políticos da guerrilha do Araguaia, movimento armado da década de 70.

O grupo divulgou nota de repúdio em que afirma que “a comissão é uma proteção àqueles que prenderam, assassinaram e desapareceram com os opositores políticos ao regime ditatorial”, durante audiência pública promovida pela Comissão de Direitos Humanos da Câmara dos Deputados, para discutir o tema “Restos Mortais de Participantes da Guerrilha do Araguaia”. O grupo afirma, ainda, que a comissão, coordenada pelo ministro da Justiça, Márcio Thomaz Bastos, é antidemocrática, por não ter nenhum representante de familiares de desaparecidos políticos e nem de organizações não-governamentais, além de manter os documentos obtidos em caráter sigiloso.

Participaram da audiência pública membros da Comissão Especial dos Desaparecidos Políticos e representantes de familiares. Eles criticaram ainda o fato de a União ter recorrido da setença da juiza federal Solange Salgado, de Brasília, no sentido de determinar que o Exército abrisse os arquivos relacionados ao Araguaia.